Últimas histórias

  • Nova iluminação do Centro Desportivo Cultural de Santos Reis marca o início de torneio sub-15

    A bola voltou a rolar nos campeonatos oficiais organizados pela Prefeitura de Natal. Pouco mais de dois anos após o início da pandemia, o calendário de competições amadoras foi retomado na noite desta quinta-feira (2), na primeira partida da Copa Natal de Futebol Society Sub-15. A retomada das atividades esportivas foi celebrada com a inauguração da nova iluminação, em LED, do Centro Desportivo Cultural de Santos Reis, local onde acontece a Copa.

    O Centro Desportivo agora conta com oito modernos postes de iluminação. Quatro destes, localizados no campo de futebol, com 16 metros de altura e potência de 440 watts. Outros quatro postes, de 12 metros e 220 watts de potência, foram fixados na quadra esportiva, ao lado do campo. A modernização da iluminação, com lâmpadas de led e melhoria dos equipamentos esportivos da cidade tem sido uma prioridade da gestão do prefeito Álvaro Dias.

    Em seu discurso, o prefeito Álvaro Dias aproveitou para anunciar a iluminação de LED que será instalada na orla da praia do Meio e praia de Miami. “É com  imensa satisfação que entregamos esses novos refletores. Com uma iluminação mais consistente e que marca o início das atividades esportivas da Prefeitura de Natal. Em breve vamos instalar esses refletores na orla das praias, e eles serão direcionados para o mar para a prática de surfe e também para garantir mais segurança aos natalenses e turistas que visitam a nossa cidade”.    

    Na solenidade de acendimento dos refletores, o titular da secretaria municipal de Serviços Urbanos (Semsur), Irapoã Nóbrega, destacou o trabalho de modernização da iluminação que a Prefeitura de Natal tem feito na cidade. “Estamos mais uma vez entregando uma iluminação moderna e eficiente, que vai garantir a qualidade do esporte da nossa cidade. Essa é uma determinação do prefeito Álvaro Dias, melhorar a iluminação de toda a cidade”.

    Jódia Melo, secretária de Esporte e Lazer (SEL) do município, comemorou a ação que marcou a retomada das competições esportivas da SEL. “Esse é o segundo campo de futebol que entregamos com esse tipo de melhoria. Um trabalho integrado entre as secretarias que vai garantir e incentivar a prática esportiva. Hoje é um dia histórico que marca a abertura das jornadas de copas de futebol amador do calendário de 2022 da SEL”.

    Após a solenidade, foi a vez dos atletas sub-15 entrarem em campo. O prefeito Álvaro Dias deu o pontapé para o início da partida entre Projeto Educalizar x GASAC.

  • Recolhimento de pneus garante preservação do meio ambiente e melhoria da saúde pública 

    Como forma de controle ambiental na cidade, a Prefeitura de Natal realiza desde 2003 a coleta seletiva de pneus inutilizáveis e dá destinação correta a esses resíduos. Além de ser uma forma de não poluir o meio ambiente, o recolhimento dos pneus evita doenças como as arboviroses, já que esses materiais são propícios para a proliferação do mosquito Aedes aegypti.

    Reutilizar, reciclar e reduzir, são esses os três princípios básicos da sustentabilidade e sugerem ações práticas para minimizar os impactos ambientais na geração de resíduos e no consumo de recursos naturais. O descarte e a destinação incorreta de pneus, por exemplo, podem produzir efeitos arrasadores no meio ambiente e na saúde pública. 
     
    Com relação ao meio ambiente, os pneus são considerados um dos maiores poluentes, pois em média, levam aproximadamente 600 anos para se decomporem na natureza. A coleta realizada pela Prefeitura do Natal e com destinação correta são parte da ação de controle deste tipo de resíduos e foi intensificada neste ano para controle do mosquito transmissor das arboviroses.  
     

    Coleta
    Hoje, essa ação do executivo municipal conta com três caminhões de coleta específica para este material, sendo que um deles já realizava o trabalho diário e os outros dois caminhões extras, foram contratados para intensificar e ampliar a coleta. O serviço é executado pela Companhia de Serviços Urbanos de Natal – Urbana, que em 2021 recolheu mais de 600 mil pneus na cidade. 

    “A Urbana tem a preocupação de não deixar esses pneus nas vias e terrenos da cidade, aumentando a proliferação de insetos e roedores, causando um ambiente de transtorno para a população, embora nós saibamos que existe a política de logística reversa, onde quem compra os pneus deve devolver aos locais onde os pneus foram comprados, para assim retornar à indústria. Temos a convicção que estamos fazendo o que está ao nosso alcance para contribuir com o meio ambiente e com a saúde da nossa população”, assinalou Alvamar Vale, diretor de operações da Urbana.

    Após a coleta, esses resíduos são levados para um galpão, situado no bairro do Alecrim, e posteriormente (não mais do que uma semana), são transportados para a Reciclanip, empresa paraibana que faz a destinação final e adequada do material. De acordo com dados da empresa, em dez anos, o descarte correto desse tipo de material, evitou que mais de 3,7 milhões de toneladas de pneus fossem jogados na natureza.

  • Com o tema “Uma Só Terra”, Prefeitura de Natal abre hoje a Semana de Meio-Ambiente

    Em 2022 comemoram-se 50 anos da célebre Conferência de Estocolmo, realizada em 1972, que instituiu o dia 5 de junho como Dia Mundial do Meio Ambiente. Para celebrar a data, a Prefeitura de Natal, por meio da Secretaria de Meio Ambiente e Urbanismo (Semurb) realiza desta quarta, dia 1º, até 9 de junho, em conjunto com outras secretarias do município, exposições fotográficas, feira de artesanato sustentável, oficinas, blitz educativa e palestras em diversos locais da cidade para lembrar a população da importância de se viver de forma sustentável e em harmonia com a natureza.
     
    Com o tema “Uma Só Terra: cuide e preserve. Esta é nossa casa!”, a Semana do Meio Ambiente (Sema) 2022 traz à tona uma discussão que, após tantos anos, continua em pauta, de que este planeta é nossa única casa e que precisamos cuidar melhor dele, porque seus recursos são finitos e devem ser preservados pela humanidade.
     
    “Vamos discutir as mudanças climáticas e seus impactos, além disso vamos mostrar o trabalho dos nossos técnicos no combate a invasões de áreas protegidas, como também na identificação delas para intensificar o plantio pela Prefeitura”, ressalta o secretário da Semurb, Thiago Mesquita.
     
    As atividades começaram nesta terça (dia 31 de maio), pela manhã e à tarde, com oficinas de música e pintura com o tema “Fauna e Flora do Parque da Cidade”, voltado para o público infantil, no Parque da Cidade Dom Nivaldo Monte. 
     
    Mídia 
    Além da programação em que a população pode participar presencialmente, como oficinas e palestras, a Prefeitura também traz este ano dois temas que envolvem educação ambiental. A Secretaria de Comunicação (Secom) está divulgando em vídeos a importância da reciclagem de resíduos domésticos, com dicas sobre sua importância e de como as pessoas podem fazer a separação do lixo. Outro projeto de grande importância para o Meio Ambiente e para a cidade, o Planta Natal, que prevê uma melhor arborização de Natal com árvores nativas, também está nas emissoras de rádio e TV. 
     
    Programação
    Nesta quarta, dia 1º de junho, às 15h, será realizada a abertura oficial da Semana, no Parque da Cidade, com o lançamento de sementes por drone em uma área de recuperação ambiental.  E encerra com a apresentação da Big Band Jerimum Jazz da UFRN no auditório do Parque. E ainda, o público poderá conferir até o dia 5, a exposição fotográfica “Observando a Natureza: A beleza captada pelas lentes” de Luciano Capistrano e Carla Belke.  Pela manhã, o projeto Planta Natal inicia o plantio de árvores nas escolas da rede municipal de ensino, que segue até o dia 9 de junho.
     
    O dia 2 de junho será dedicado a palestras que serão realizadas no auditório do Parque da Cidade. Pela manhã, a partir das 9h acontece a primeira com o tema ““Não se vive sem educação” apresentada pelo chefe do setor de Educação Ambiental da Semurb, Otávio Escóssia. Em seguida às 10h, a discussão será sobre papel das unidades de conservação na manutenção do clima “, ministrada pelo engenheiro ambiental, Luiz Augusto Correia, atual chefe do setor de Manejo do Parque. E às 11h, o tema será Mudanças Climáticas, ministrada pelo secretário da Semurb, Thiago Mesquita. 
     
    No dia 3, as atividades se estenderão ao Partage Norte Shopping, com a exposição fotográfica “Observando a Natureza: A beleza captada pelas lentes” de Luciano Capistrano e Carla Belke, que ficará no local até o dia 5, na praça de alimentação do Shopping. Também serão expostos os equipamentos e em banner o trabalho realizado pela fiscalização da Semurb, como também uma mostra sobre as atividades realizadas pelo setor de mudanças climáticas e áreas verdes para manutenção do microclima da cidade.
     
    No final da tarde de sexta-feira, a partir das 17h, no estacionamento do Partage, será montado um drive-thru de conscientização pela Urbana e Semurb, além do teatro da STTU, para alertar a população para descarte correto do lixo eletroeletrônico. Encerrando com um bate-papo sobre “Responsabilidade Ambiental: Um compromisso de todos” com Danielle Mafra, secretária executiva da Prefeitura do Natal e o grupo Cidade Limpa, na praça de alimentação do Shopping. No local todos poderão calcular sua pegada ecológica, que será feita por técnicos da Semurb.
     
    No sábado (4), pela manhã a população poderá fazer trilhas naturais guiadas, no Parque da Cidade, além de participar do drive-thru de Conscientização, realizado pela Urbana e Semurb, em frente ao CCAB-sul, na Av. Engenheiro Roberto Freire. À tarde, o público poderá conferir os escritores da “Sociedade dos poetas vivos”, que estarão na biblioteca do Parque e ainda assistir à apresentação do Coral Santa Cecília, regida por Edvaldo Ribeiro. O dia será encerrado com uma aula de yoga “Pôr-do-sol”.
     
    No Domingo (5), a partir das 15h, haverá mais uma apresentação dentro do “Projeto o Parque é Nosso!”. Desta vez será com a cantora Renata Paiva. 
     
    Dando seguimento à programação, no dia 7, acontecerá um evento on-line, promovido pelo ICLEI – Governos Locais pela Sustentabilidade, um dos parceiros da Semurb, que vai trazer “Diálogos Sustentáveis:  Introdução ao Plano Municipal de Adaptação às Mudanças Climática em Natal”, com a participação de técnicos da secretaria, que trabalham na área. O evento poderá ser acompanhado pelo canal https://www.youtube.com/user/ICLEISAMS.

  • Contribuintes ainda podem doar para campanha Restitua Amor 

    O prazo para a entrega da declaração do Imposto de Renda encerra à meia-noite desta terça-feira (31) e com isso, ainda resta a oportunidade das pessoas que têm imposto a pagar, direcionar um percentual deste valor devido ao Governo para os Fundos Municipais da Infância e Adolescência e da Pessoa Idosa. O contribuinte tem a opção de destinar até 3% do valor a ser pago e é transferido diretamente da Receita Federal para o Fundo Municipal escolhido, sem que haja nenhum pagamento a mais. 


    E para as pessoas que já entregaram sua declaração e têm valores a pagar, a doação a esses fundos também pode ser feita, fazendo-se a correção do documento já entregue. Esta correção pode ser feita dentro do mesmo prazo, até amanhã. 


    O responsável por administrar os recursos destinados ao FIA é o Comdica, órgão deliberativo e consultivo formado por membros do poder público e da sociedade civil. Já no Fumapi, quem administra os recursos é o Conselho Municipal da Política do Idoso. Os dois órgãos são vinculados à Secretaria Municipal de Trabalho e Assistência Social – Semtas.


    “São recursos que serão empregados no município para atender às necessidades, às deficiências e às solicitações das instituições comprometidas com a infância, a adolescência e com o idoso. Nada mais justo que cada pessoa que tenha essa consciência faça isso, porque é realmente um gesto de amor”, assinalou o prefeito Álvaro Dias. 


    No ano passado, os dois fundos arrecadaram, através da campanha Restitua Amor, R$ 600 mil e neste ano a expectativa é atingir R$ 55 milhões. Nas doações a projetos sociais, os contribuintes não podem escolher uma entidade específica. Eles devem escolher o modelo completo e entrar na opção “Doações Diretamente na Declaração”. No formulário, deve clicar no botão “Novo” e escolher o fundo para o qual pretende doar.


    O presidente do Conselho Municipal da Criança e do Adolescente do Município de Natal, Sérgio Câmara, disse que o Comdica tem registrado 50 entidades. De acordo com Câmara, o Conselho lançou edital este ano, no valor de R$ 1 milhão, beneficiando 10 entidades com R$ 100 mil cada. “Esse é o maior edital já feito na história do Estado. Já escolhemos os eixos a serem trabalhados. Essa já é uma parte da prestação de contas do valor arrecadado no ano passado e no ano retrasado, que não pudemos lançar por conta do fechamento de escolas e de entidades devido à pandemia da Covid-19”, esclareceu Sérgio Câmara.
     
    Como doar 

    A doação é feita no ato da declaração do Imposto de Renda direto no programa da Receita Federal, clicando na aba esquerda do aplicativo. O contribuinte vai destinar para os Fundos apenas parte do imposto (até 6%) do valor devido ao Governo Federal. Para usar o incentivo fiscal, é preciso apresentar a declaração do Imposto de Renda Pessoa Física (DIRPF) na modalidade completa, cujo programa calcula automaticamente o limite da dedução.

    Caso o contribuinte opte por destinar os recursos do Imposto de Renda para o Fundos da Infância e Adolescência (3%) e para o Fundo do idoso (3%), serão geradas duas DARFs para o pagamento, sem que essa operação interfira em outras deduções da declaração e sem gerar custos adicionais para o contribuinte.

  • O tempo apaga tudo

    “Médica é baleada após arrastão em Candelabro”, grita o apresentador do programa Patrulha da Desgraça. “Mulher é vítima de latrocínio. Mas marido escapa”, comemora o jornalista da Cidade Boquiaberta, apresentado ao meio-dia na capital. E assim o caso do roubo seguido da morte de Amanda foi divulgado na imprensa daqui. Não teve uma pessoa que costuma assistir aos programas na TV local, no horário do almoço, que não tenha tomado conhecimento tim-tim por tim-tim de como tudo aconteceu. Às vezes com mais detalhes do que fora divulgado por quem estava presente. Além das imagens da ocorrência, claro. É praxe.

    &&&

    Hoje é um dia difícil. O retorno de Jessé ao Casarão da Esperança, na favela da Muriçoca.

    — Foi aqui que realizamos um projeto muito bonito. Amanda amava isso tudo — lamenta Jessé.

    — Nem sei o que dizer. Sinto muito por ela, meu filho. Por vocês. — diz a Irmã Zefinha, com os olhos lacrimejantes. Ela é uma das voluntárias nos projetos da Vila.

    Jessé agradece a irmã e anuncia seu desligamento temporário das atividades na comunidade.

    — Claro, meu filho. Entendemos essa pausa — diz a Irmã levantando a mão sobre a cabeça de Jessé, como se tentasse abençoá-lo.

    — Queria que a senhora visse um jeito de expressar a minha inaptidão momentânea ao trabalho com o pessoal, como também dizer às pessoas daqui que não as culpo pela tragédia que nos abateu, irmã — explica Jessé já atravessando a porta com acesso à rua.

    — Sim. Claro. Leve o tempo que for preciso — finaliza Irmã Zefinha.

    Jessé segue pelas ruas sob os olhares dos moradores. Alguns balbuciam, gesticulam ou apenas o cumprimentam balançando suas cabeças. Ele nota olhares entre muros e frestas. Mas isso não o abala. Há ódio no seu olhar, sede de vingança.

    Já passa das onze horas da manhã quando estaciona o carro próximo à praça Dão Maria, no Centro da cidade. Caminha em uma ruela que dá acesso ao bar de Macalé. E é recebido com um demorado abraço do dono.

    — Bom dia, amigo. Fazia tempo que não andava por aqui. O que houve? — Macalé franze a testa ao perceber seu comentário inapropriado, e tenta consertar:

    — Quer uma cerveja bem geladinha?

    — Bom dia. Sim, seu Macalé. Pois é, demorei. Não se penitencie pela pergunta. E pode trazer a cerveja! — responde Jessé sem rodeios.

    O bar de Macalé fica nas adjacências do Beco da Fama. Local movimentado, de frequentadores assíduos, e clientela fiel.

    — Oh, meu filho. Mas antes que qualquer coisa, meus sentimentos. Vou trazer a mais gelada. Hoje não vou deixar Maurinho chegar nem perto daquele freezer, tá? — diz Macalé, limpando com um pano úmido a mesa branca com a ferrugem à mostra.

    Maurinho, filho de Macalé, é “famoso” entre os clientes por servir a cerveja menos gelada. E isto já rendeu grandes histórias aos frequentadores do Beco da Fama, reduto da boemia?

    Ficara até às duas da tarde acompanhando o vaivém dos transeuntes. Estava certo de que essa pausa, ao menos no Beco, não lhe renderia nada. Mas estava em seus planos seguir até a comunidade, fazer o “social” em algum bar no final de semana. No Beco, era apenas o pontapé inicial, queria ser visto. Na Vila, sim, esperava conseguir informações, ficaria na espreita. Sabe como é, bandido gosta de se gabar dos malfeitos que faz. E na Vila tem muita gente que sabe de tudo. Sobre tudo mesmo. Por exemplo, andaram comentando sobre ele se precaver, pois os responsáveis pelo assassinato de Amanda poderiam atentar contra sua vida novamente. “Com certeza não vão cometer nenhuma besteira lá, na frente de todos”, pensava ele. Afinal, queira ou não, desenvolveram um bom trabalho junto à comunidade e quase todos os moradores de lá e das adjacências também sabem disso.

    Algumas pessoas que conheceram o casal paravam junto à mesa em que Jessé estava  para lamentar o ocorrido.

    — Você viu, Jessé, um dos envolvidos na barbárie em sua casa foi morto no domingo à noite na favela — disse Nestor Bandinha, coordenador da Associação dos Amigos do Beco das Frutas e amigo de Jessé.

    — É. Vi, sim. Uma selvageria — “lamenta” com ironia.

    — Sim. Uma selvageria e que você deveria se preocupar com essa exposição toda. Ao menos por agora — diz uma pessoa que chega por trás de Jessé.

    — Me preocupar? Por quê? Por que estão morrendo também? Vai ver que é queima de arquivo, não querem que vocês os peguem — respondeu Jessé.

    André Antunes, que é investigador da polícia, que acabara de chegar,foi quem fez o alerta. Aliás, eles são amigos desde a universidade. E por coincidência está na equipe que investiga o caso do assassinato da médica do bairro Candelabro. Esteve bem presente no início da recuperação do amigo Jessé, até recebendo-o na delegacia diversas vezes, quando dividia os passos das investigações, apesar de não se sentir nada confortável com aquela situação. Ainda assim, dividia detalhes do que a polícia vinha realizando. Entretanto, omitia nomes de possíveis suspeitos envolvidos no crime.

    Muitos passaram pela mesa naquela tarde e início de noite. Conversas indignadas, condolências, palavras de conforto, inconformismo. A pretensão deles agora era dar uma passadinha no Gargallos antes de encerrarem a farra, bar que fica nas adjacências do Beco da Fama. André já estava bem “animado” sob o efeito da bebida. Mas queria ficar mais com o amigo.

    — É a primeira vez que o cara sai em busca de movimento. É preciso dar uma força neste recomeço, pensa André, enquanto avisa que vai ao banheiro.

    — Ok. Pedirei a conta e vamos ao Gargallos quando você retornar — avisa Jessé.

    — Tá certo. Veja minha parte direitinho aí. Mas com Macalé. Não chame por Maurinho. O cabra é esperto demais — brinca André, enquanto vira-se e segue ao corredor que dá acesso ao banheiro.

    Jessé não se conteve e, na ausência de André, abre rapidamente, sem que nenhum dos presentes ao redor perceba, uma pequena pochete pertencente ao amigo, e puxa uma caderneta de anotações. Vê entre tantas notinhas um nome e endereço sublinhado com destaque no topo: “Amanda/Jessé”.

    André volta do banheiro pouco tempo depois, encontra uma cédula de cem reais embaixo do copo americano quase cheio de cerveja e lamenta:

    — Caraca. Ele estava indo tão bem…

    &&&

    Era uma fábrica de gelo. Ouvia-se apenas o barulho de freezers por qualquer corredor que tomasse. Já passava das dezenove horas. Não existia mais movimentação no pátio, tampouco no interior do armazém gelado. Seus passos eram calculados, e o coração só faltava sair pela boca, estava assustado, cuidadoso. Na caderneta dizia que Aluízio Zambeta era vigia daquele local.

    Quanto pensou em como seria a abordagem, pois não tivera tempo de traçar nenhuma estratégia, sentiu um soco à altura do fígado, fazendo com ele rolasse até a uma pilha de caixas plásticas. Não fosse por alguns fardos de embalagens, teria batido com a cabeça no chão de cimento cru, que se encontrava molhado. Seu oponente aguardou sorrateiro até o primeiro ataque, e agora vocifera enquanto tenta puxar uma arma do coldre:

    — O que você quer? Se queria roubar, veio ao local errado, escroto!

    Jessé não reconheceu o bandido. Tampouco o suposto bandido o identificou. Mas também não conseguiria. “Como analisar alguém durante uma luta corporal, ainda mais na penumbra?”, pensou. Foram momentos de aflição, entre socos, golpes e pontapés. O sangue já escorria pela boca, quando preparou a primeira providência importante e crucial, acertou com um chute na mão que empunhava uma pistola. Aluízio deveria ter algo em torno de um metro e noventa de altura e porte atlético, não era fácil desarmar um brutamontes daqueles. Mas, usando um pedaço de mangueira, conseguiu golpear e fazer com que ele soltasse a arma. O revólver deslizou até uma empacotadeira, momento em que Jessé conseguiu aplicar um tranco forte na têmpora, causando um breve apagão em seu opositor, e, com precisão, desferiu um soco na garganta. Sem fôlego, Aluízio sentiu gravemente a traqueia. Alguns segundos se passaram, o silêncio voltou, o meliante meio que entregou os pontos, pois tentava se arrastar desesperadamente até a porta de um enorme freezer — aparentemente sem uso —, na tentava de se refugiar.

    Com paciência Jessé puxou-lhe pelos cabelos até ver com bastante calma seu rosto. Era aquele que na noite do crime ficara fumando na entrada de sua casa.

    Desta vez não houve interrogatório.

    &&&

    O tempo haverá de descartar a arma do crime, um pedaço do bloco de gelo que foi usado como uma foice nesta noite.

  • Tecnologia de vigilância da SMS monitora
    circulação do Aedes aegypti em Natal

    Natal consegue antecipar, em até uma semana, ações de controle, combate
    e prevenção de arboviroses. Isso é possível graças ao desenvolvimento de
    tecnologias de vigilância entomológica, epidemiológica e estratificação de
    risco.  O monitoramento feito de forma ativa e sistemática tem garantido à
    Secretaria Municipal de Saúde (SMS) condições para detectar a ocorrência
    de surtos, controlar epidemias em curso, promover ações para controle
    vetorial com baixo custo operacional e monitorar a transmissão de doenças
    pelo Aedes aegypti, como dengue, zika e chikungunya. 
     
     
    Pioneiro no Brasil, o sistema de ovitrampa foi desenvolvido em uma parceria
    entre a Secretaria Municipal de Saúde de Natal e a Universidade Federal do
    Rio Grande do Norte. Trata-se de um depósito escuro com uma palheta de
    fibra de madeira e a armadilha é altamente específica para a espécie do
    mosquito, atraindo as fêmeas do Aedes aegypti para depositarem os ovos
    naquele depósito. Com esse sistema, é possível estimar a quantidade de
    insetos em uma área. 
     
    Após uma semana os agentes de endemias do Centro de Controle de
    Zoonoses recolhem essas palhetas de fibra de madeira, nas quais os ovos
    ficam presos, para análise de contagem dos ovos. Em média, cada fêmea
    pode ter de quatro a seis posturas de ovos, cada uma delas com uma média
    de 200 embriões. 
     
    Esse modelo de vigilância, chamado de entomológica, conta com uma rede
    de monitoramento com 630 ovitrampas, distribuídas nas quatro regiões de
    Natal, em pontos fixos, a cada 300 metros.  
     
    Márcia Cristina, chefe do núcleo de entomologia do CCZ, conta que o
    quantitativo de ovos na palheta é variável, mas consegue predizer o número
    de fêmeas presente em uma determinada área. Além disso, a evolução da
    metodologia, que vem sendo utilizada desde 2015, possibilitou uma
    importante descoberta: a da transmissão vertical dos arbovírus. 
     
    “Estudos preliminares apontavam para o entendimento que a fêmea do
    Aedes, em sua idade de maturidade, só se contaminaria se ela se
    alimentasse de alguém infectado com algum dos arbovírus. Hoje, já sabemos
    que há a transmissão vertical”.  
     
    De acordo com Márcia, o ovo do mosquito já nasce infectado. Se nascer
    fêmea, quando se transformar num mosquito alado já está apta a transmitir a
    arbovirose. E se for macho, haverá contaminação quando ele copular com
    alguma fêmea. “A natureza está sempre nessa evolução e na busca pela
    sobrevivência da espécie”, concluiu. 
     

    A chefe do departamento de vigilância em saúde da SMS, Vaneska de Brito,
    explica como esse novo entendimento permitiu a estruturação das ações de
    combate e prevenção.  “Agora, sabendo disso, conseguimos ter um modelo
    preditivo de execução, porque eu consigo ver o crescimento vetorial. Se eu
    tenho uma maior quantidade de vetor eu tenho maior possibilidade de
    adoecimento. E se esse ovo já vai nascer positivado para a arbovirose,
    então, na primeira situação já vão ter pessoas doentes”.  
     
    Vaneska complementa dizendo que o adensamento vetorial já não é mais
    decisivo para que aconteça um surto. “Se eu tiver o conjunto completo: o
    mosquito, o vírus e a pessoa suscetível, pode acontecer uma infestação, um
    surto ou uma epidemia. Isso traz gravidade à situação e mostra a
    necessidade de ações mais efetivas dentro dos territórios e, claro, uma maior
    responsabilidade da população”. 
     
    Ações


    As ações de intervenção para controle vetorial têm como principal atividade
    as visitas realizadas pelos agentes de combate às endemias nos imóveis da
    cidade, e é por meio dessa atividade que o CCZ promove ações de
    orientações à população quanto às medidas de prevenção das doenças.
    Além disso, os agentes são responsáveis pela aplicação de larvicidas, para a
    eliminação dos criadouros potenciais de Aedes aegypti. A ação acontece
    quinzenalmente. Um total de 420 servidores estão envolvidos nessas ações
    de controle e combate, distribuídos entre o trabalho de campo, laboratorial e
    de análise de dados.  
     
    A diretora do CCZ , Amanda Morais, diz que o trabalho realizado hoje no
    município é um diferencial no Brasil e no mundo. “As análises entomológicas
    saem junto com as epidemiológicas. Toda essa estrutura nos permite
    conseguir estar dentro do período do ciclo do vetor, que é de uma semana,
    como também possibilita o acompanhamento de casos humanos de
    adoecimento – que é por semana epidemiológica”.

  • Prefeitura recebe ação piloto do programa “Conta pra Mim”, voltado à primeira infância

    Considerada a primeira experiência de aquisição de vocabulário e de fortalecimento de vínculo na Primeira Infância, a contação de histórias é o foco do programa “Conta pra Mim”, iniciativa conjunta dos Ministérios da Educação e da Cidadania que busca estimular a leitura de livros infantis em ambiente familiar. A Prefeitura do Natal foi escolhida para fazer parte da ação piloto que agora passa a integrar o “Criança Feliz”, outro programa que em Natal é referência na visitação e acompanhamento de crianças nos anos iniciais de vida (0 a 6 anos) e suas famílias.

    A Sessão solene para a entrega dos primeiros 1.095 kits aconteceu semana passada, no Palácio Felipe Camarão, e contou com a presença da secretária nacional de Atenção à Primeira Infância do Ministério da Cidadania, Luciana Siqueira e do secretário de Alfabetização do Ministério da Educação, Carlos Nadamim, além dos titulares das secretarias que atuam na execução do programa na capital, a Secretaria Municipal do Trabalho e Assistência Social (Semtas), Ana Valda Galvão, e a Secretaria de Educação, Cristina Diniz. Capacitadores de leitura e algumas famílias assistidas pelo programa também estavam presentes. A deputada federal Carla Dickson, que integra a comissão da primeira infância no legislativo federal, também participou da solenidade.

    Representando o prefeito Álvaro Dias, o secretário municipal de Governo, Joham Xavier disse que o programa se soma a outros já desenvolvidos pelo município na atenção às crianças nos primeiros anos de vida.  “Um país forte precisa começar pela educação das crianças, e o futuro delas começa a ser desenhado nos primeiros anos”, disse. Para Ana Valda Galvão, da Semtas, “é uma satisfação estarmos entre as capitais selecionadas para desenvolver este trabalho. A literacia familiar é fundamental para a primeira infância, para a família e para a sociedade”. Cristina Diniz (SME) lembrou ainda que o programa é um “exercício de educação e cidadania, por que vem para fortalecer os vínculos e criar uma base sólida para as crianças”.

    Psicopedagoga por formação, Luciana Siqueira destacou a importância de incentivar a leitura desde o nascimento. “As crianças começam a aprender desde sua existência até os 3 anos, esse vocabulário surge antes da chegada à alfabetização. O que queremos é dar condições às crianças vulneráveis o acesso a esse estímulo. A leitura também fortalece o vínculo afetivo da família”, comentou. 

    Representante do MEC no programa, Carlos Nadamim destacou o ineditismo ao inserir a família como agente do processo de alfabetização precoce. “As crianças instruídas escutam milhões de palavras a mais do que crianças em situação de vulnerabilidade, então as condições de partida são muito desiguais”, explicou. Ele ressalta que no programa um adulto não precisa ser alfabetizado para narrar as histórias, ele pode ancorar-se nas ilustrações. 


    PROGRAMA
    Os kits do “Conta pra Mim” serão direcionados para famílias que tenham gestantes  e crianças na faixa etária da primeira infância que estão sendo acompanhadas pelo Programa Criança Feliz de Natal e que sejam usuárias da Política de Assistência Social ou são beneficiárias dos Benefícios de Prestação Continuada. Além de 20 livros infantis, o kit é composto de um jogo de percurso do Tito e o folder informativo com orientações sobre a literacia familiar, onde fala sobre como utilizar o kit  e a importância de fazer a socialização na família.

    Foto: Rennê Carvalho

  • Prefeitura promove oficinas dentro do projeto “Brasil, essa é nossa praia!”

    A Prefeitura do Natal vai promover de 23 a 26 de maio oficinas voltadas para gestores públicos, comunidade local e turistas, com o intuito de debater sobre a orla, turismo e futuro. O trabalho faz parte do projeto “Brasil, essa é Nossa Praia!”, do Ministério do Turismo (MTur), que tem por objetivo atualizar o Plano de Gestão Integrada da Orla (PGI), seguindo as diretrizes do Projeto Orla. O evento acontece no Parque da Cidade, pela manhã e à tarde. A abertura oficial será na próxima segunda-feira (23), às 10 horas.

    As oficinas serão conduzidas pelas secretarias de Meio Ambiente e Urbanismo (Semurb) e secretaria de Turismo (Setur) em parceria entre o departamento de Turismo da UFRN (Detur/UFRN) e o Ministério do Turismo (MTur). Terão o objetivo de ajudar nesse processo de atualização do PGI, ele que estabelece as ações e estratégias a serem adotadas pelo município para executar projetos e a gestão da orla da cidade. Por isso, deve ser elaborado por meio de oficinas participativas com atores sociais locais.

    Na oportunidade serão apresentados os projetos previstos para orla com enfoque no turismo. Para o secretário da Semurb, Thiago Mesquita, a ideia é reestruturar a orla, tornando-a atrativa tanto para a população natalense, como para o turista, que frequentam as praias. Esse será um importante passo para atrair novos investimentos para o local, reforça o secretário de Turismo, Fernando Fernandes.

    As unidades de planejamento que serão abordadas durante as oficinas serão as praias de Areia Preta, dos Artistas, do Meio e do Forte, incluindo tanto a Redinha Velha como a Redinha Nova, Ponta Negra e a Via Costeira. O público-alvo do projeto são os representantes de associações de moradores, representantes de atividades econômicas (pesca, turismo, comércio, portuária), assim como técnicos e gestores públicos, representantes de associações locais, professores e estudantes. 

    A segunda oficina acontecerá entre 05 a 08 de julho, finalizando com uma audiência pública em 22 de agosto.  Para saber mais, acesse o portal do projeto “Brasil, essa é nossa praia!” pelo endereço www.brasilnossapraia.ufrn.br. 

    Foto: Semurb PMN

  • Contribuintes do IRPF em Natal ainda podem participar da campanha “Restitua Amor”

    O prazo para entrega da declaração do Imposto de Renda 2022 está encerrando — termina às 23h59 do próximo dia 31 —, e ainda é possível acertar as contas com a Receita Federal e ao mesmo tempo ajudar outras pessoas. Os contribuintes podem destinar parte do seu IR a instituições socioassistenciais sem pagar nenhum valor a mais. A Campanha Restitua Amor, criada pela Prefeitura de Natal, continua incentivando os natalenses a dar essa destinação social aos recursos. 

    A campanha sensibiliza o contribuinte a destinar até 6% do imposto devido para os Fundos Municipais da Pessoa Idosa (Fumapi) e da Infância e Adolescência (FIA). São com esses recursos que instituições filantrópicas conseguem executar e até ampliar projetos sociais que atendem crianças, adolescentes e idosos em Natal. As doações são repassadas diretamente para esses fundos e os respectivos conselhos municipais definem, por meio de edital, onde o dinheiro será investido.  

    A possibilidade de fazer essa destinação existe desde 2012, mas ainda hoje esse direcionamento é pouco conhecido no Brasil. Segundo dados da Receita Federal, apenas 3% dos contribuintes brasileiros fazem esse encaminhamento. Com o objetivo de informar e sensibilizar a população, a Prefeitura do Natal criou em 2020 a Campanha Restitua Amor. A cada ano, a ação vem conseguindo ampliar a adesão entre os natalenses. No primeiro ano da campanha, somente na capital foram destinados R$ 209,5 mil. Já no ano passado as contribuições somaram R$ 407 mil, quase o dobro do ano anterior.

    “São recursos empregados no Município para atender às necessidades, às deficiências e às solicitações das instituições comprometidas com a infância, a adolescência e com o idoso. Nada mais justo que cada pessoa que tenha essa consciência faça isso, porque é realmente um gesto de amor”, assinalou o prefeito Álvaro Dias, ao lançar a campanha, no início de março passado. 

    No primeiro ano, a Campanha Restitua Amor conseguiu destinar pouco mais de R$ 169 mil ao FIA. Em 2021, esse valor foi praticamente dobrado, arrecadando mais de R$ 329 mil. A novidade este ano é que a Campanha foi unificada. E lembra ao contribuinte que as doações podem ser feitas simultaneamente para o FIA (até 3%) e para o Fumapi (até 3%). 

    É importante destacar que a contribuição para a campanha não significa o pagamento de qualquer valor a mais. Esse tipo de destinação direciona o recurso e evita que 100% do imposto vá para os cofres do Tesouro Nacional.

    Como doar 

    Nas doações a projetos sociais, os contribuintes não podem escolher uma entidade específica. Eles devem escolher o modelo completo e entrar na opção “Doações Diretamente na Declaração”. No formulário, deve clicar no botão “Novo” e escolher o fundo para o qual pretende doar.  

    Caso o contribuinte opte por destinar parte dos recursos do Imposto de Renda para o Fundo da Infância e Adolescência (3%) e para o Fundo do idoso (3%), serão geradas duas DARFs para o pagamento, sem que essa operação interfira em outras deduções da declaração e sem gerar custos adicionais para o contribuinte.  

    Projetos sociais  

    Ações de solidariedade, como as que a Campanha Restitua Amor estimula, podem transformar e fortalecer vidas. Uma das parcerias feitas pela Prefeitura é com a ONG Atitude e Cooperação, que desde 2006 desenvolve projetos voltados para educação cidadã, arte, lazer e esportes de crianças e jovens da Zona Oeste de Natal. Parte dessas ações e programas foram possíveis graças aos recursos repassados pelo FIA, aprovadas mediante edital lançado pelo fundo.  No ano passado, a ONG conseguiu aprovação para financiar o projeto “Celeiro”, voltado para o fomento de práticas esportivas, com foco na cidadania e na inclusão social. Este ano, o objetivo é ampliar o programa de musicalização “Tocando a Vida”. 

    “Quando fazemos a destinação desses 3% do imposto, podemos saber onde o dinheiro está sendo investido e por isso pedimos aos contribuintes natalenses que venham conhecer os nossos projetos e atestem o alcance e a qualidade do trabalho que é desenvolvido aqui”, ressalta o coordenador administrativo da ONG, Eduardo Ataíde.  

    O Centro Educacional Dom Bosco, na Zona Norte de Natal, é outra instituição que recebeu em 2021 os recursos repassados pelo Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolscente (Comdica). No apoio pedagógico, projeto que a instituição submeteu ao edital do FIA, são atendidos 700 alunos entre 6 e 17 anos, no contraturno escolar. Diariamente, eles participam de aulas de reforço escolar nas disciplinas de português e matemática.  

    “A pandemia trouxe impactos fortíssimos na vida da população mais vulnerável. Esse é o momento em que a sociedade civil se une para ajudar todas as instituições que estão trabalhando com crianças e adolescentes em situação de vulnerabilidade social. E essa é uma forma tão fácil de ajudar que eu tenho certeza que, se todos soubessem o quanto é simples, nós conseguiríamos viabilizar mais e mais projetos em Natal”, projeta a coordenadora pedagógica do Centro, Magda Cardoso. 

  • Banco de Alimentos de Natal arrecada mais de uma tonelada no primeiro mês de operação

    A reestruturação do programa Banco de Alimentos de Natal registra bons resultados já no primeiro mês de funcionamento: mais de uma 1,3 tonelada de alimentos foi arrecadada e distribuída, beneficiando mais de 3.200 pessoas. Iniciado em março passado pela Prefeitura de Natal, por meio da  Secretaria Municipal do Trabalho e Assistência Social (Semtas), o programa viabiliza a captação e distribuição de gêneros alimentícios provenientes de doações dos setores público e privado às instituições assistenciais cadastradas na Secretaria.

    O objetivo do programa é de minimizar o desperdício de alimentos, garantir a segurança alimentar e nutricional das pessoas em  vulnerabilidade. A secretária da Semtas, Ana Valda Galvão, comemora o sucesso da reestruturação e afirma que muito ainda será feito. “Estamos dando continuidade ao trabalho da gestão que foi buscar a experiência exitosa do Banco de Alimentos de Porto Alegre (RS), considerado referência nacional, para reestruturar o nosso. Assim como eles, a Prefeitura de Natal quer ser referência no combate ao desperdício e aproveitamento integral dos alimentos”, afirma.

    Inicialmente, eram sete instituições cadastradas e supridas com as doações da Feira de Agricultura Familiar e este número passou para 17 instituições. “Nossa expectativa é ampliar ainda mais este número, viabilizando o fortalecimento do Banco de Alimentos. Agradeço a adesão das empresas e da sociedade civil ao programa. Às vezes um produtor ou uma empresa perde produtos alimentícios por não ter conhecimento de um local seguro e confiável que possa doar. Este local é o Banco de Alimentos da Semtas”, reforça Ana Valda Galvão.

    Segurança alimentar

    A comida arrecadada geralmente está próxima de vencer ou são produtos que, porventura, danificam sua embalagem sem comprometer o conteúdo, o que os impede de ser vendidos ou ainda alimentos que seriam jogados no lixo. O programa recolhe e seleciona o que pode ou não ser doado.

    Atualmente, o Programa atende as seguintes instituições: Escola Ambulatorial Padre João Maria-Casa da Criança, Humanização e Apoio ao Transplantado de Medula Óssea do RN – Hatmo, Instituto de Educação e Reabilitação de Cegos- IERC/RN, Lar da Vovozinha, Casa de idosos Jesus Misericordioso, Lar do Ancião Evangélico -LAE, Lar Fabiano de Cristo – Casa Clara de Assis, APAE Natal – Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais, Centro Sócio Pastoral Nossa Senhora da Conceição, Instituto Juvino Barreto, Casa do Menor Trabalhador, Centro Suvag do RN, Associação de Orientação aos Deficientes – ADOTE, Sociedade Heitor Carrilho, Aldeias Infantis SOS Brasil, Associação Riograndense Pró-Idoso – ARPI e Patronato da Medalha Milagrosa.

    Doações

    Os interessados em fazer doações ao programa podem entrar em contato no telefone (84) 3232.9498 e pelo 98602.5391 (whats), de segunda a sexta-feira. O doador também pode entregar os alimentos na sede do Banco de Alimentos, na rua Manoel Miranda, 1860, Quintas.

    Os alimentos são doados atualmente pelo Favorito Supermercado (da Ayrton Senna e da Roberto Freire), VerdFrut, Supermercados Veneza e RedeMais e pela Feira da Agricultura Familiar e não ficam armazenados no Banco de Alimentos. Eles são separados rapidamente para que haja uma distribuição eficaz.