Sobre

ARENA NOGUEIRÃO PADRÃO FIFA

Como já é de praxe no futebol mossoroense em todo início de Campeonato Estadual, o nosso depauperado Nogueirão será submetido à rigorosa vistoria por parte das autoridades bombeirísticas, ludopédicas, ecumênicas e eclesiásticas às vésperas da estreia dos nossos clubes, isto é, clube, na competição. Em 2021, mais uma vez, apenas o Potiguar. O Baraúnas rebaixado em 2018, parece que fechou as portas em definitivo e não existe perspectiva de voltar a disputar a Série A do nosso “estadualzinho” de José VENALdo, digo, Vanildo, via disputa da Série B. Lamentável. Esse ano, mais uma vez não acontecerá o maior clássico do futebol mundial: o POTIBA. É a mesma coisa que o Campeonato Espanhol sem Real Madrid X Barcelona.

Mas voltemos ao nosso histórico e maltratado Nogueirão. O presidente do Potiguar, Benjamin “Button” Machado, depois de acompanhar o alvirrubro em seu périplo ludopédico por todo o estado do RN, a fim de cumprir os seus jogos com mando de campo durante o Estadual 20 e Série D, bateu o pé: “Sem o Nogueirão, o Potiguar não joga o Estadual 2021”. O jovem e recém empossado prefeito mossoroense foi categórico: “O torcedor pode ficar tranquilo: o Nogueirão vai voltar a ser o Nogueirão que tanto orgulha o povo mossoroense”, repetindo a célebre promessa pregressa de Dra. Rosalba no longínquo ano de 2012, quando era governadora. Não custa lembrar, que o Estadualzinho já começa no dia 24/02.

Num hercúleo esforço jornalístico, tive acesso ao documento que contém todas as exigências necessárias à liberação do nosso querido estádio para as disputas da nossa principal competição pebolística. São pendências bobas, coisinhas simples, que com um pouquinho de boa vontade política e disposição do próprio Potiguar, já deveriam ter sido solucionadas há tempos. Se começar hoje dá pra ficar pronto antes do carnaval. Vamos a elas:

  1. Elevadores e escadas rolantes para acesso às arquibancadas, camarotes e tribunas de honra;
  2. Arquibancadas cobertas com teto retrátil;
  3. Um extintor de incêndio para cada dois torcedores;
  4. 36 saídas de incêndio anti-tumulto devidamente sinalizadas em neon fosforescente (existe isso?);
  5. Ar condicionado central nas arquibancadas, camarotes e tribunas de honra, para que os torcedores e autoridades não morram de calor;
  6. Catracas eletrônicas com identificação biométrica e visual;
  7. Revista eletrônica e automática para detecção de armas de fogo e outros apetrechos letais;
  8. A iluminação deve seguir os seguintes padrões: a quantidade de lux precisa ser igual em todas as partes do gramado. A luminância no plano vertical acima de 2 mil lux e no horizontal, superior a 3,5 mil lux;
  9. A grama deve ser do tipo Bermudas (cynodon dactylon) ou Esmeralda (zoysia japônica) e deve conservar uma altura entre 25 a 30 milímetros;
  10. Banheiros climatizados com pias e descargas automáticas;
  11. Chuveirinho com água morna para não irritar o fiofó dos torcedores com papel higiênico Neve;
  12. Quatro telões de alta definição para que os jogadores possam se ver e arrumar os cabelos desalinhados (CR7, lembram dele?).
  13. Estacionamento subterrâneo para 46.350 veículos;
  14. E finalmente, o plantio de 150 palmeiras imperiais importadas de Portugal ao redor do estádio, pra ele ficar mais bonitinho.

São só essas besteirinhas. Ou isso ou daqui a duas semanas, o Potiguar vai ter que mandar seus jogos no majestoso estádio Edgar Borges Montenegro, em Assu.

Escrito por Marco Túlio

Comentários

Comente

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Carregando...

0

Milícia no Divã – Mil Vezes

Carnaval no Bosque Encena Virtual