Últimas histórias

  • PT em Mossoró

    O Partido dos Trabalhadores (PT) em Mossoró vive um intenso conflito interno, causado pelo anúncio da pré-candidatura da vereadora Marleide Cunha ao cargo de deputado estadual, o que desagradou a deputada estadual Isolda Dantas, que disputa o mesmo nicho eleitoral.

    Marleide Cunha, contudo, se acha capacitada para a disputa em razão da força que demonstrou ter nas eleições de 2020, quando conseguiu se eleger em detrimento de Plúvia Oliveira, candidata preferida de Isolda Dantas. Plúvia recebeu generosos recursos do PT, ao contrário de Marleide.

    A atual deputada estadual Isolda Dantas teme que ela e Marleide Cunha morram abraçadas, acredita que ambas terão muitos votos, mas não consigam, individualmente, alcançar os números necessários. Haverá candidatos em Natal com bastante capilaridade eleitoral, capazes de superar as votações individuais de Marleide e Isolda. A briga interna está grande.


    I – A revista Piauí de março trouxe uma extensa e excelente matéria sobre a pré-campanha do ex-ministro Sérgio Moro (Podemos) à presidência da República. A reportagem cobre desde a volta de Moro ao país até suas reuniões mais recentes. A situação não é nada animadora.

    *

    II – O ex-ministro apareceu na primeira pesquisa após lançar-se pré-candidato com 11% das intenções de votos, o que animou o entourage, mas as sondagens seguintes não demonstraram o crescimento que todos almejavam, pelo contrário. Hoje ele patina nos 6%, 7%, o que é bastante desmotivador.

    *

    III – Além da presença tímida nas pesquisas, a campanha enfrenta outros problemas, como a falta de recursos financeiros, de organização, a dificuldade para formar alianças e conseguir apoios, além da visível falta de carisma do pré-candidato. Não é de se espantar que a Pré-candidatura não vingue.

     *

    O presidente Jair Bolsonaro (PL) voltou a defender uma ampliação do excludente de ilicitude para policiais, uma espécie de carta branca para matar. Para se livrar do processo, bastará o policial dizer que agiu por medo ou surpresa. Lembrando que nossa polícia já é a mais letal do mundo.

    *

    Quando assumiu o poder na Hungria, em 2010, o ultraconservador Viktor Orbán tratou logo de tirar poderes do Tribunal Constitucional, o STF do país, aumentando de 11 para 15 o número de ministros, e mudando a forma de nomeação, o que permitiu a ele, ao longo dos anos, montar um tribunal com kassios e andrés.

    *

    Ainda sobre Orbán, haverá eleições na Hungria no início de abril. Sua campanha vem sendo feita com base na pauta de costumes, sobretudo contra o público LGBTQIAP+, a quem acusa de pedofilia, de querer destruir a família bíblica e blá-blá-blá.

    *

     I – No mundo, um a cada 700 bebês nascidos possuem síndrome de Down. Na Espanha, a média é de um a cada 02 mil bebês, isso porque a legislação do país permite o aborto de fetos com a síndrome, o que pode ser detectado entre a 10ª e 12ª semana de gestação.

    *

    II – O maior fator de risco para a gestação de um bebê com síndrome de Down é a idade da mãe. A partir dos 33 anos, em média, já há risco. Também há relação com a idade em que a mãe foi gerada pela avó do futuro bebê.

    *

    Outrora, as casas dos mais aquinhoados dispunham de “despensa de empregada”, cômodo que servia unicamente para a doméstica, quando esta literalmente morava na casa dos patrões. Resquícios do período escravocrata. Pra começar, “despensa” é onde se guardam “objetos”.

    *

    Pesquisadores da Universidade Federal de Santa Maria encontraram um osso de dinossauromorfo, espécie ancestral dos dinossauros, que viveram na terra há 240 milhões de anos. O fóssil foi encontrado no município de Dona Francisca (RS). Pode ser o mais antigo da espécie no mundo.

    *

    Águas Profundas mistura drama psicológico com alguma pitada de suspense. No filme, um homem demonstra aceitar, mesmo a contragosto, as constantes traições da esposa, algumas na própria casa deles. Essa aceitação, entretanto, não é bem o que parece. É um filme instigante sobre infidelidade consentida (ou não). No Prime Vídeo.

  • INDEPENDENTE

    O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), há tempos abandonou a parceria com o presidente da República, Jair Bolsonaro (PL). Ele vem colocando em pauta apenas os projetos de seu interesse, incluindo uns que desagradam ao chefe da Nação, como a legalização dos jogos de azar. Bolsonaro já chegou a dizer que vetaria o projeto, caso aprovado, mas isso não incomodou Arthur Lira, que não parou a tramitação da matéria, e trabalhou para sua aprovação.

    *

    LEGISLATIVO EM BANHO-MARIA – No Brasil, há um consenso de que projetos que carregam alguma polêmica não devem ser votados em anos eleitorais. A uma, porque os políticos estão mais preocupados em formar alianças para suas campanhas; a duas, porque questões controversas sempre desagradam a uma parcela da população, tudo o que os políticos não querem.

    *

    II – Contrariando essa lógica, o presidente do Senado Federal, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), quer votar ainda em 2022 um dos projetos mais cobrados no país, o da Reforma Tributária, que pretende, sobretudo, simplificar o atual balaio de gatos que é nossa legislação nessa área. Merece elogios a atitude do senador, resta saber se ele logrará êxito. Acho difícil.

    *

    INDICAÇÕES PARA O STF – O próximo presidente do Brasil deverá nomear dois novos ministros pro STF ainda em 2023, que ocuparão as vagas de Rosa Weber e Ricardo Lewandowski, que atingirão a idade máxima de 75 anos. Há, no entanto, um movimento no Congresso que pretende retornar a idade máxima para 70 anos, o que permitiria ao próximo mandatário da Nação nomear cinco ministros durante os quatro anos de gestão.

    Vale lembrar que a idade foi alterada de 70 para 75 anos recentemente, no governo de Dilma Rousseff, a fim de impedir que a ex-presidente nomeasse mais ministros para a Corte Judiciária. Casuísmo sempre, outrora e agora.

    BAR DO PAULÃO – O bar mais velho de Mossoró ainda em atividade e comandado pelo fundador, completa 50 anos de existência em dezembro deste ano. Seus frequentadores já passam a arquitetar uma comemoração, meio a contragosto do seu proprietário, Paulo Targino, o Paulão, avesso a eventos sociais.

    *

    II – O Bar do Paulão está localizado no cruzamento das ruas Felipe Camarão com Ana Floriano, bairro Doze Anos. É um bar tradicional, de balcão, mesas e cadeiras de madeira, pintados em branco, com um enorme estoque de bebidas destiladas acomodadas num enorme móvel fixado à parede.

    * III – A clientela é quase sempre a mesma, não é um bar cosmopolita, apesar de seu proprietário não se negar a atender clientes desconhecidos. Ofertará seu “atendimento VIP” da mesma forma. Dona Inês, esposa de “Paulão”, é uma atração à parte, com sua falta de freio na fala. Diz o que quer, nem sempre com palavras republicanas, para risos e deleite dos presentes.

    Vida longa ao icônico Bar do Paulão.

    *

    CONDENAÇÃO – A Justiça condenou o governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite (PSDB), a indenizar o cantor e compositor Chico Buarque em R$ 40 mil. No último dia 07 de setembro, o governador publicou um vídeo em suas redes sociais defendendo que o Brasil deveria fugir dos extremos, e como exemplo mostrou uma montagem com Sérgio Reis e Chico Buarque lado-a-lado, sendo que o primeiro realmente já fez declarações demonstrando seu radicalismo, ao contrário do segundo. A defesa de Chico Buarque mostrou que a imagem do cantor foi usada indevidamente, tese que foi acatada. Cabe recurso.

    *

    DRAMA – O filme “Você não Estava Aqui” (2019) mostra os efeitos da precarização do trabalho nos dias atuais. A trama se passa na Inglaterra, tendo como personagens principais um casal formado por um entregador de encomendas e uma cuidadora de idosos. Apesar da extenuante carga de horário que ambos cumprem, eles não conseguem ter uma vida digna, gerando constantes conflitos em casa, sobretudo com o filho mais velho, um adolescente em fase escolar.

    Outro viés do filme é a relação entre patrão e empregados na empresa de entregas, alicerçada apenas no cumprimento de metas, no trabalho exaustivo e na falta de empatia com os empregados, que não podem nem relatar que estão doentes etc.

    *

    DICA – Para quem gosta de aprender mais sobre o mundo da música, especialmente curiosidades, e também para fugir um pouco do pesado noticiário político, sugiro os seguintes podcasts: “B3”, “Discoteca Básica”, “Sons & Histórias”, “G1 Ouviu”, “Escuta”, “Expresso Ilustrada”, “Baú Musical” e “Tenho mais Discos que Amigos”, todos muito bons. A mente às vezes pede algo mais ameno.

    *

    TOCA RAUL – O cantor Ed Motta, mais conhecido pelo seu parentesco com Tim Maia, achou por bem detonar o escritor, produtor, cantor e compositor Raul Seixas, dizendo, entre outras, que ele era fraco musicalmente e que possuía falha de caráter. Caso queria aparecer, escolheu a pior forma possível. A imensa legião de fãs do Maluco Beleza não deixou barato. Ed Mota ouviu umas boas verdades, pra criar “marra” e parar de falar lorotas. Nem vou me dar ao trabalho de compará-los aqui neste espaço. Todos sabem o que representa Raul Seixas para a música nacional e o que representa Ed Mota.

  • OS ESCOLHIDOS DE ALLYSON

    O prefeito de Mossoró, Allyson Bezerra (Solidariedade), já havia anunciado há algum tempo o seu pré-candidato a deputado federal, que é o presidente da Câmara Municipal de Mossoró, vereador Lawrence Amorim (Solidariedade).

    Na semana ele deu enormes pistas de que seu pré-candidato a deputado estadual será o ex-vereador e agente da polícia civil Soldado Jadson, também do Solidariedade. À imprensa, o prefeito não afirmou o apoio com todas as letras, apenas sugeriu, mas nos bastidores a escolha é dada como certa. Não há anúncio explícito porque poderia desagradar a outros pretendentes ao apoio do prefeito da segunda maior cidade do estado.

    OUTRA PRÉ-CANDIDATURA

    O ex-prefeito de Governador Dix-sept Rosado, Anaximandro Vale (DEM), está circulando pelos municípios da região a fim de viabilizar sua candidatura a deputado estadual. Ele é filho do também ex-prefeito Adail Vale e irmão do atual prefeito da cidade, Artur Vale.

    Anaximandro Vale também é casado com Isaura Rosado, sobrinha-afim da ex-prefeita de Mossoró, Rosalba Ciarlini (PP). Apesar de estar filiado ao DEM, que passará a se chamar União Brasil, Anaximandro pretende migrar para outra sigla partidária até o fim de março, data-limite prevista na legislação eleitoral.

    SUCESSÃO ESTADUAL

    Para as candidaturas ao governo e ao Senado Federal, os principais postulantes se comportam como se estivessem numa grande mesa de pôquer, onde analisam as suas peças e observam atentamente as jogadas dos adversários.

    Para o governo, as pesquisas mostram que apenas um nome é capaz de competir com a governadora Fátima Bezerra (PT), o ex-prefeito de Natal, Carlos Eduardo Alves (PDT), o qual, contudo, dá sinais de que pretende se aliar à Fátima, sendo seu candidato a senador, o que garantiria a vitória de ambos.

    POLITICAGEM

    Em entrevista à Rádio Sociedade da Bahia, na quinta-feira (25), o presidente Jair Bolsonaro disse que era contra a realização do carnaval em 2022. Falou o homem que sempre foi contra o lockdown, o distanciamento social, que promoveu aglomerações mesmo no auge da pandemia, que sempre colocou a economia em primeiro lugar, que é contra o uso de máscaras, que até hoje não se vacinou. Quanta hipocrisia, quanta politicagem vagabunda.

    GASTRONOMIA

    O advogado e assessor governamental Stevenson Medeiros é um dos sócios do Lama Bar, point gastronômico que começará a funcionar no próximo dia 01º de dezembro, no tradicional Beco da Lama. Ele garante que o diferencial do local estará nos petiscos. Qualquer dia chego por aí para saborear seus acepipes.

    PURO MARKETING

    Mais uma vez o Black Friday decepciona. A tradicional queima de estoque da última sexta-feira de novembro tem mais marketing e publicidade do que promoções reais. Matérias em diversos jornais mostraram que algumas lojas subiram o valor dos produtos dias antes do evento, para então diminuir no dia e passar a sensação de “excelente oportunidade”. Um desses jornais foi O Povo, do Ceará, que mostrou vários exemplos de aumento de preços dias antes da Black Friday.

    NOMES

    O nome composto Enzo Gabriel foi o mais registrado no Brasil em 2018 e 2019, mas não aparece nem na lista dos dez mais em 2020, encabeçada pelo bíblico Miguel, escolhido 27.371 vezes. Entre os bebês do sexo feminino o campeão foi Helena, com 22.166 ocorrências, seguida de Alice (20.118) e Laura (17.572).

    Quando a pesquisa engloba os últimos dez anos os campeões são Miguel e Maria Eduarda.

     LEI DO CÃO

    Um homem foi condenado à morte por fuzilamento na Coreia do Norte por ter vendido um pen drive com a série Round 6. O comprador, um aluno, foi condenado à prisão perpétua. Outros 05, que apenas assistiram, foram condenados a cinco anos de trabalhos forçados. Professores e alguns funcionários da escola foram demitidos, simplesmente por terem sido, supostamente, relapsos.

    Imagem: DIVULGAÇÂO

    THE BEATLES

    A plataforma Disney+ lançou um documentário em três episódios sobre o quarteto de Liverpool. “The Beatles: Get Back” mostra as cenas inéditas do quarteto ensaiando para um novo projeto. São 22 dias de gravações, praticamente todos os dias úteis de janeiro de 1969, pouco antes de o grupo acabar.

    A intenção era fazer um especial para a televisão com músicas inéditas, vez que eles estavam há três anos sem se apresentarem em público. A apresentação não deu certo, mas as músicas que foram feitas naqueles 22 dias serviram de base para os dois últimos discos da banda: Abbey Road e Let it Be.

    THE BEATLES 2

    O documentário mostra todo o processo criativo da banda, naquela época liderada por Paul McCartney, que constantemente entrava em conflito com o guitarrista George Harrison, diante de um Ringo Star que apenas observava e fazia a parte que lhe cabia nas músicas.

    Notamos ainda um John Lennon entregue a sua namorada, Yoko Ono, figura onipresente nos 22 dias, sempre ao lado do músico, muitas vezes o beijando e acariciando. Ao menos nesse trabalho Lennon pouco parece ter somado, mas também não atrapalhou. Os verdadeiros conflitos, friso, eram entre Paul McCartney e George Harrison.

  • QUEDA DE POPULARIDADE

    O desembarque do presidente Jair Bolsonaro em Mossoró, na quarta-feira (20), deixou evidente a queda de sua popularidade, mostrada por todos os institutos de pesquisa. O número de apoiadores no aeroporto foi bem menor do que na visita anterior, ocorrida em 24 de junho último.

    O presidente, ainda segundo os institutos de pesquisa, mantém uma base firme e inquebrantável de 12% da população, o que garante certa aglomeração aonde quer que ele vá, mas nem de perto parece aquele candidato que reunia multidões antes da pandemia.

    NADA MUDOU

    Na Câmara Municipal de Mossoró, os vereadores oposicionistas seguem cobrando e fiscalizando o Executivo Municipal, como é de sua função; já os vereadores situacionistas seguem tratando do Hospital Regional Tarcísio Maia, das falhas do abastecimento de água, dos problemas nas escolas estaduais e da insegurança, ou seja, problemas de competência do governo estadual.

    O pior de tudo é que isso não é nenhuma novidade. Os vereadores situacionistas, em todas as gestões pretéritas, sempre se comportaram como deputados estaduais, blindando e poupando o chefe do Executivo da vez.

    MUDOU

    A única mudança que conseguimos registrar na atual legislatura está no nível dos debates, que baixou muito se comparado com as anteriores. Os diálogos nas sessões parecem aqueles de cortiços de novelas, com gritos, dedos em riste e o usual: “Eu não tenho medo de você”. Está uma tristeza só.

    VALENTIA SÓ NO RN

    O senador Styvenson Valentim (Podemos) costuma usar suas redes sociais para esbravejar contra seus pares, chamando-os de toda a sorte de impropérios, o mesmo faz quando é entrevistado pelos órgãos de imprensa do estado, sempre passando a impressão de ser imaculado num ambiente prostituído.

    O senador, todavia, não leva sua valentia para Brasília. Quando no Congresso, se comporta como um gatinho acuado numa quina de parede. Talvez fosse mais convincente se dissesse na tribuna do Senado o que costuma dizer nas redes sociais e órgãos de imprensa locais.

    SONEGAÇÃO E MAU EXEMPLO

    O Podcast Ecos da Política revelou, na edição do dia 17 de outubro, que a ex-prefeita de Mossoró, Rosalba Ciarlini (PP), não paga o IPTU do imóvel em que mora desde 2009. Nem paga e nem a procuradoria municipal cobra, ao contrário do que acontece com o cidadão comum que atrasar o pagamento.

    Como a dívida prescreve em 05 (cinco) anos, só podem ser cobrados os valores em aberto de 2017 pra cá, o que a atual gestão já está fazendo. A revelação causou indignação em muita gente, sobretudo porque a cobrança de IPTU ficou bem mais incisiva na gestão da ex-prefeita Rosalba Ciarlini, que inclusive majorou os valores.

    Pelo que se vê, enquanto cobrava impiedosamente o IPTU do cidadão comum, a ex-prefeita usava seu poder para sonegar o tributo e não ser incomodada pela procuradoria municipal. Que feio!

    ROGÉRIO X FÁBIO

    A depender do presidente Jair Bolsonaro, a disputa para concorrer a vaga do Rio Grande do Norte no Senado Federal pelo bolsonarismo, nas próximas eleições, será resolvida no ímpar ou par, pelo menos foi isso que trouxe a edição de 20 de outubro da revista IstoÉ.

    Os ministros Fábio Faria, das Comunicações, e Rogério Marinho, do Desenvolvimento Regional, são os protagonistas da disputa. Ambos querem ser candidatos ao Senado com o apoio do bolsonarismo, mas apenas um conseguirá a vaga. Por enquanto, o filho do ex-governador Robinson Faria aparece na frente nas pesquisas.

    REAJUSTE SALARIAL

    Os servidores do Estado aguardam ansiosamente o dia 28 de outubro, data em que é comemorado o Dia do Servidor Público, isso porque há esperança de que a governadora do Estado, Fátima Bezerra (PT), aproveite o momento para anunciar algum reajuste salarial ou alguma outra melhoria para a categoria.

    Para 2021 está sem jeito, por impeditivo trazido pela Lei Complementar nº 173/2020. Qualquer reajuste só poderá ocorrer a partir de 01º de janeiro de 2022. A secretária de Administração, Virgínia Ferreira, não está dando muita esperança. Ela lembra outro impeditivo, a Lei de Responsabilidade Fiscal.

    Por outro lado, a sindicalista Janeayre Souto argumenta que já são 12 anos sem aumentos ou reajustes, o que representa aproximadamente 90% de perdas salariais.

    INFLAÇÃO

    Numa situação de alta desenfreada da inflação, como a que vem se desenhando, o principal prejudicado é o servidor público, de qual esfera for, que depende da boa vontade do gestor da vez para que seus vencimentos sejam adaptados à atual realidade.

    O profissional liberal e o empregado privado podem alegar a alta da inflação para cobrar mais ou pedir aumento, já o servidor público depende de aprovação de lei e de adequações orçamentárias. Não é algo que possa ser feito do dia pra noite.

    Além disso, muitos servidores estaduais recebem quantias fixas e imutáveis decorrentes de decisões judiciais, valores estes que perdem totalmente o valor num caso de descontrole inflacionário.

    VACINA

    Aqueles que se posicionam contra a vacina anti-Covid-19, e infelizmente tenho pessoas próximas que integram essa turma, estão usando Israel como exemplo, dizendo que o país foi um dos pioneiros na vacinação do seu povo, e ainda assim o número de infectados voltou a subir atualmente, inclusive alcançando os maiores números desde o início da pandemia.

    Israel tem algumas situações bem peculiares, que não podem ser transpostas para outros países. Uma delas é que a abundância de vacinas fez com que o intervalo entre as doses da Pfizer fosse reduzido de 90 para 21 dias, contrariando consenso médico.

    Soma-se a isso a não vacinação de crianças, dos que se negam a ser vacinados por questões ideológicas (isso existe em todo o mundo), da variante Delta e o fato de o país ter aplicado uma única vacina, a da Pfizer.

    DEMOCRACIA

    O principal alicerce da Democracia, que a mantém viva, é a confiança. Quem perde uma eleição precisa acreditar que terá possibilidade de disputar a próxima e vencer; quem possui muitos bens precisa confiar que ninguém irá tomá-los, por crime ou por lei; quem possui um cargo com estabilidade precisa acreditar que ninguém irá exonerá-lo por mera discricionariedade.

    Quando as pessoas deixam de acreditar no bom funcionamento da Democracia, a tendência é o caos, o desarranjo, uma guerra civil, um todos-contra-todos, por isso devemos lutar com todas as nossas forças para manter viva a chama democrática.

  • QUARENTENA

    O juiz de Direito Herval Sampaio Júnior concedeu entrevista ao jornal Agora RN onde se posicionou contrário a quarentena para magistrados e promotores, prevista na reforma eleitoral em trâmite no Congresso Nacional.

    Herval Sampaio disse que a regra é casuística, pois visa a impedir a candidatura do ex-juiz Sérgio Moro, falou ainda que houve falhas quando da tramitação do projeto e que, se aprovado, vai igualar magistrados e promotores a condenados em processos criminais, pois só estes não possuem direitos políticos.

    Na realidade, a reforma em tramitação prevê que a regra da quarentena só valerá a partir de 2026, logo, não impedirá uma possível candidatura do ex-juiz Sérgio Moro. Nos demais pontos eu até concordo com o magistrado, posiciono-me contra a aprovação da quarentena de quatro anos para juiz e promotores. Que o povo escolha.

    HERVAL SAMPAIO – Trabalhei com Herval Sampaio durante alguns anos, tanto no Judiciário, onde sou servidor, como no programa de TV Conheça seus Direitos. Sempre notei que ele gosta muito de acompanhar a política, talvez pela sua ancestralidade, vez que seu pai foi vereador em Fortaleza (CE). Sinto que quando se aposentar tentará um mandato eletivo. Faço essa aposta.

    FUSÃO DEM-PSL – O ex-senador José Agripino virou um entusiasta da fusão nacional entre o PSL e o DEM, o que tornaria o partido a ser criado o maior do Congresso em número de parlamentares, garantindo uma boa grana em Fundo Eleitoral e Fundo Partidário.

    Em entrevista ao jornal Tribuna do Norte ele disse que o novo partido tem tudo para ser a terceira via no Estado, formando uma chapa competitiva. O entusiasmo do ex-senador é compreensível, mas eu só queria saber qual é, atualmente, a segunda via no RN.

    Entusiasmo à parte, montar o novo partido no Estado não será tão fácil. Há vários interesses divergentes. O DEM tem muitos anti-bolsonaristas e o PSL tem muitos bolsonaristas-raiz. Difícil juntar todos numa só canoa.

    CAMINHOS DIFERENTES – O partido Solidariedade pode rachar no ano que vem. Na visão do deputado estadual Kelps Lima o apoio à reeleição da governadora Fátima Bezerra (PT) está fora de cogitação. A ala mossoroense não tem tanta certeza disso.

    BOLSONARO NA ONU – Mais uma vez o presidente da República, Jair Bolsonaro, mentiu à larga durante a abertura da Assembleia-Geral das Nações Unidas, em Nova York (EUA). As pessoas que estão fora da bolha bolsonarista, e por isso conseguem enxergar a realidade, ficaram estarrecidas com a desfaçatez e cara-de-pau do presidente, que mente na cara dura, como se estivesse falando para os “zumbis” do cercadinho da Alvorada.

    O discurso do presidente se resumiu a elencar mentiras facilmente desmascaráveis e apontar culpados imaginários, como o comunismo, globalismo, socialismo, essas coisas que só existem na cabeça dessa gente alheia à realidade. Não houve anúncio de nenhum programa, projeto etc., até porque o governo não os tem.

     O país se tornou um pária internacional, que ora desperta indignação, ora desperta chacota, mas nunca confiança.

    RESPEITO À CONSTITUIÇÃO – O único ponto positivo que vi no discurso presidencial foi quando ele falou que respeita as regras constitucionais. Assim, temos esperança de que no ano que vem, caso os eleitores não o reelejam, ele não embace a troca da faixa presidencial.

    BIDEN – O discurso do presidente dos EUA, Joe Biden, foi no sentido diametralmente oposto. Ele pregou a união dos povos; o respeito às minorias, citando explicitamente o público LGBTQIA+; a harmonia entre as nações; o entendimento entre os poderes; lembrou que não estamos mais na Guerra Fria; enfim, um discurso harmonioso, de afluência. Que inveja!

    JÚRI – O juiz Orlan Donato, da 8ª Vara da Justiça Federal do Rio Grande do Norte, com sede em Mossoró, marcou para o próximo dia 30 de novembro, a partir das 8h, o início da sessão do Tribunal do Júri que submeterá a julgamento popular os cinco acusados de executar o policial federal penal Henry Charles, crime ocorrido no dia 12 de abril de 2017, quando a vítima estava num bar localizado no bairro Boa Vista, Mossoró.

    Segundo a denúncia, o crime tem relação com facções criminosas, sendo executado em razão do cargo exercido pela vítima. Os cinco acusados são Eduardo Lapa dos Santos, Maria Cristina da Silva, Jailton Bastos de Souza, Gilvaneide Dias Mota Bastos e Edmar Fudimoto.

    CAMARÃO – A produção de camarão segue de vento em popa no Rio Grande do Norte. O crescimento vem ocorrendo de forma substancial desde 2017, quando a produção foi de 15,4 mil toneladas, passando para 19,2 mil toneladas em 2018, 20,7 mil em 2019, 25 mil em 2020 e previsão de 25 mil toneladas para 2021.

    Os criadores querem aumentar ainda mais esses números, para tanto então pleiteando junto ao Idema (Instituto de Desenvolvimento Sustentável e Meio Ambiente) uma autorização para a compra de 1,2 mil camarões reprodutores aos EUA, o que aumentará a produção local.

    O governo do Estado também deu uma ajudinha aos produtores, baixando de 12% para 1,5% a alíquota do tributo incidente sobre o setor de camarão.

    METABOLISMO – Todos nós já ouvimos que com passar dos anos o nosso metabolismo vai ficando mais lento e que por isso é mais difícil emagrecer. Não é bem assim. Um grande estudo comandado pelo conceituado doutor Herman Pontzer revelou que o metabolismo do ser humano não se altera entre os 20 e 60 anos, e que a partir daí vai ficando mais lento na proporção de 1% ao ano. O estudo envolveu 6.400 pessoas em 29 países.

  • STYVENSON, O INDOMADO

    O senador Styvenson Valentim (PODE) vem se notabilizando pelas declarações infelizes que têm feito nos últimos dias. Numa delas, ao comentar um vídeo onde um policial militar aparece agredindo uma mulher, disse que era preciso saber o que a vítima tinha feito para merecer aquelas tapas, como se houvesse motivo que justificasse aquela agressão. A reação nas redes sociais foi imediata. O senador, natural de Rio Branco (AC), foi duramente criticado – com razão – pela fala infeliz.

    STYVENSON, O INDOMADO 2 – Diante da péssima repercussão, o senador fez um segundo vídeo, tentando se justificar, mas a emenda saiu pior do que o soneto. Na oportunidade, quis jogar com as palavras, mas não convenceu, continuou querendo justificar a agressão do policial.

    STYVENSON, O INDOMADO 3 – O senador nem esperou a polêmica esfriar e já lançou outra. Numa live, sugeriu que a agressão sofrida pela deputada federal Joice Hasselmann (PSL-SP) tinha a ver com chifre ou drogas. De imediato, a deputada abriu um boletim de ocorrência em desfavor do senador, além de uma representação no Conselho de Ética do Senado Federal.

    STYVENSON, O INDOMADO 4 – Eleito com 745.827 votos em 2018, seu nome vinha sendo ventilado para concorrer ao cargo de governador nas eleições do ano que vem. Depois dessas declarações é muito difícil que ele consiga se viabilizar. O senador já declarou que não será candidato à reeleição.

    RETROCESSO – Se a postura do senador Styvenson representa a nova política, eu prefiro então a velha política de José Agripino (DEM), Garibaldi Filho (MDB), Geraldo Maia (PSDB), entre outros. Nunca os vi fazendo declarações tão absurdas. Isso mostra que mudanças nem sempre são positivas.

    ROGÉRIO MARINHO, O SABIDO – O podcast Ecos da Política, disponível no Spotify, divulgou na sua 4ª edição que uma emenda do deputado federal Beto Rosado (PP), inserida no chamado “orçamento secreto”, beneficiou diretamente o ministro do Desenvolvimento, Rogério Marinho. Trata-se de aproximadamente R$ 1,5 milhão destinado à construção de um mirante no município de Monte das Gameleiras (RN), vizinho a um terreno do ministro.

    ROGÉRIO MARINHO, O SABIDO 2 – No ano passado, meses antes do deputado Beto Rosado apresentar a emenda, o ministro solicitou um alvará de licença para a construção de um condomínio em sua propriedade. O dinheiro foi liberado e já houve a assinatura do convênio entre o Ministério do Turismo e a prefeitura de Monte das Gameleiras. O caso só veio à tona porque o prefeito do município, Jailton Félix (PP), fez questão de divulgar o feito nas redes sociais da prefeitura, talvez até de forma inadvertida. 

    Um caso claro de utilização de recursos públicos para favorecimento pessoal. 

    Outros dados e maiores detalhes no podcast Ecos da Política e também nos blogs: rapaduranews.com.br (aqui). tiocolorau.com.br (aqui) e blogdachris.com.br (aqui).

    ROBINSON FARIA, O BLINDADO – Na Assembleia Legislativa tramita atualmente duas comissões parlamentares de inquérito (CPIs), uma para investigar a construção da Arena das Dunas, durante o governo de Rosalba Ciarlini (PP); e outra para escarafunchar as ações do governo de Fátima Bezerra (PT) na condução da pandemia.

    Curiosamente, não há nenhuma CPI para analisar o governo de Robinson Faria (PSD), o pior dos últimos anos. Ele conseguiu a “proeza” de não pagar quatro folhas de pagamento, mesmo as obras do estado sendo quase todas bancadas com recursos do Banco Mundial, e mesmo raspando o tacho do fundo previdenciário.

    ROBINSON FARIA, O BLINDADO 2 – Não dá para entender o porquê de a Assembleia Legislativa não ter instalado uma CPI para descobrir os motivos que levaram o ex-governador Robinson Faria a deixar quatro folhas do funcionalismo em aberto. No mesmo período, e com os recursos de sempre, os outros poderes pagaram seus servidores – em dia.

    Isso só revela o domínio que Robinson tem entre os deputados, muitos dos quais ele já conviveu por muitos anos, e viveu muitas histórias.

    AQUECE MOSSORÓ – Já tem data definida a 04ª edição do Aquece Mossoró, iniciativa que busca incentivar o comércio da segunda maior cidade do estado. Será de 30 de outubro a 27 de novembro.

    A campanha promete preços diferenciados, vantajosos, e sortear prêmios como bolsas de estudos, compras em supermercados, abastecimento de combustível, eletrônicos e veículos. 

    A campanha permite ao consumidor trocar as notas fiscais por cupons. As notas fiscais terão que ser registradas no programa “Nota Potiguar”. Cada R$ 30,00 dá direito a um cupom para o sorteio que acontecerá no dia 04 de dezembro. O consumidor também poderá concorrer aos prêmios do programa Nota Potiguar e beneficiar instituições beneficentes de sua preferência.

    DESEMPREGO – Os índices de desemprego neste nosso Florão da América só crescem. Já são 15 milhões de brasileiros sem emprego. Destes, 06 milhões já desistiram de procurar uma ocupação. O Brasil também conta com 34 milhões de pessoas trabalhando na informalidade, o que representa enorme perda de receita tributária por parte da União.

    33 milhões de brasileiros estão subutilizados, ou seja, trabalham só parte da jornada diária, na outra ficam ociosos.

    Precisamos de um presidente que enxergue essa massa gente. Não me recordo de ter visto o atual comandante da Nação, Jair Bolsonaro, martelando nessa problemática. As prioridades dele são outras, como se encontrar com deputada neonazista, salvar a Igreja Universal na África, negociar apoio com o Centrão, lutar pelo voto impresso etc. 

    MENTIRA REPETIDA – O Supremo Tribunal Federal (STF) perdeu a paciência com o presidente da República. No site oficial, um vídeo esclarece que o órgão decidiu pela competência concorrente entre municípios, estados, Distrito Federal e União no combate à Covid-19. 

    No vídeo, cujo título, em forma de pergunta, é “Mentira Repetida Mil Vezes Vira Verdade?”, é esclarecido que na Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) nº 6341 o STF não proibiu o governo federal de atuar no combate à pandemia, apenas não lhe deu exclusividade para tal, dividindo a difícil tarefa entre os demais entes.

  • OUTRAS MEDIDAS

    Já restou claro a todos que é impossível fazer um lockdown de verdade no Brasil, até porque a maior autoridade do país é contra. Assim, não cabe mais discutir o assunto, é preciso encontrarmos outras formas de conter o avanço da doença.
    Muitos países, França e Japão inclusos, tomaram medidas eficientes e até simples para diminuir a contaminação no transporte público, onde geralmente há aglomeração, aqui e na Europa.
    Os governos distribuíram máscaras de qualidade entre os passageiros e fizeram campanhas para que eles evitassem falar uns com os outros. Com todos bem protegidos e calados, o vírus circula bem menos. Simples, né? No Brasil não existiu nenhuma campanha nesse sentido.

    MUITA ÁGUA PARA ROLAR
    As últimas pesquisas eleitorais visando ao pleito presidencial de 2022 mostram o ex-presidente Lula exibindo uma boa vantagem em relação ao presidente Jair Bolsonaro. Os números mostram que se as eleições fossem hoje o candidato do PT ganharia com certa facilidade. Ocorre que as eleições não serão hoje.
    O baixo rendimento do presidente é reflexo do ritmo lento da vacinação, dos 14,8 milhões de desempregados, da alta dos preços de alimentos da cesta básica e da CPI da Covid-19.
    Na campanha de 2022 o Brasil já deverá ter superado a vacinação e a economia estará melhor, assim preveem os apoiadores do presidente. Nessas condições ele voltará ao jogo.
    O que parece consolidado mesmo é a impossibilidade de surgir uma terceira via competitiva. Não tem saída, teremos que escolher entre Lula (13) e Bolsonaro (ainda sem partido).

    BOLSA FAMÍLIA 2022
    O governo federal enviará ao Congresso Nacional, até meados de setembro, o novo Bolsa Família. As reformulações estão sendo estudadas nos ministérios envolvidos com o programa.
    De início haverá mudança de nome, o novo programa deverá se chamar Emancipação Cidadã. O investimento também aumentará, dos atuais R$ 35 bilhões anuais para R$ 50 bilhões. O número de beneficiários deverá subir de 14,6 milhões para 16,5 milhões.
    Outras tantas alterações estão sendo estudadas, sobretudo no que se refere à chamada “porta de saída”, arco de opções para os beneficiários conseguirem emprego e renda.

    VIDA NOVA
    Após passar temporadas em clínicas de reabilitação, onde se tratou do vício em drogas e do excesso de agressividade, a modelo Naomi Campbell, de 50 anos, decidiu ser mãe, inclusive já usou suas redes sociais para postar os pés da bebê, gerada em barriga de aluguel. Naomi mora em Nova York, com um companheiro secreto.

    RESPONSABILIDADE AMBIENTAL
    Em 2020, na Alemanha, o consumo de energia eólica correspondeu a 25,6% do total, superando assim a energia oriunda de usinas de carvão mineral, que ficou em 21,5%.
    Ao tornar uma energia renovável como sua principal matriz elétrica, a Alemanha demonstra responsabilidade ambiental e zelo pelo meio ambiente.
    No Brasil, o uso de energia eólica cresceu significativamente nos últimos anos, mas, ainda assim, só responde a 10,3% do consumo total.

    DE FORA
    A revista Condé Nast Traveler, da mesma editora que publica a Vogue, New Yorker e Vanity Fair, fez uma matéria onde os embaixadores de diversos países nos EUA foram convidados a dizer um livro essencial para ler antes de conhecer seus respectivos países.
    A Colômbia indicou Cem Anos de Solidão; Índia, Esta Noite a Liberdade; Suécia, Um Homem Chamado Ove; Nova Zelândia, Encantadora de Baleias; etc. Embaixadores de países como Líbano, Jamaica, Geórgia, Costa Rica e Azerbaijão também indicaram suas publicações.
    O Brasil, sempre presente em todas as listas quando envolve cultura e arte, não foi convidado para participar. Na época em que a matéria começou a ser elaborada, o nosso chanceler era Ernesto Araújo, considerado um pária mundial.
    A revista não explicitou os motivos que a levaram a deixar o Brasil de fora, mas todos sabemos. Nossa chancelaria trabalhou incansavelmente para nos isolar do mundo. Uma lástima.

    VIOLÊNCIA CONTRA MENORES
    O caso do menino Henry Borel (04), onde o padrasto, Dr. Jairinho, e a mãe, Monique Medeiros, estão sendo investigados por homicídio triplamente qualificado, despertou a atenção do país para um problema sério, mas, infelizmente, não raro: a violência contra crianças.

    Um estudo da Fundação para a Infância e Adolescência (FIA), do Rio de Janeiro, revelou que a maioria das vítimas tem até 06 anos (58%), é menina (62%), o pai é o autor mais frequente (40%) e em 49% dos casos há abuso sexual.

    As notificações de violências contra crianças e adolescentes no Brasil aumentaram bastante nos últimos anos. Foram de 09 mil, em 2009, para 59 mil, em 2018. Ou os casos realmente aumentaram ou as pessoas estão tendo mais coragem para denunciar.
    Muitas lesões corporais e mortes poderiam ter sido evitadas, bastava o parente afastar o agressor do convívio da criança ao menor sinal de violência. No caso do menino Henry, algumas pessoas já sabiam que o padrasto o agredia. Por que não o retiraram do convívio do menino? Ele poderia estar vivo se não fosse a omissão da mãe, da babá e da avó materna. De alguma forma todas elas são cúmplices.

    CRIMINOSOS AGRADECEM
    Desde que assumiu a presidência, Jair Bolsonaro já tomou várias medidas para afrouxar as regras referentes ao porte e posse de arma, bem como a compra de munições e afins. A desculpa é que as medidas servem para armar os “cidadãos de bem” contra bandidos.
    Na prática, algumas medidas fragilizaram o combate à criminalidade. Uma delas acabou com o tamanho máximo do lote de projéteis. Antes, limitado a 10 mil unidades, o que facilitava a investigação, por tornar mais fácil a possibilidade de associar um dado projeto aos compradores daquele lote.

    Com lotes contendo milhares de unidades, a tarefa fica praticamente impossível. Resta saber que benefício essa nova regra trouxe.

    DESIGUALDADE VACINAL
    O diretor da OMS, Tedros Adhanom, demonstrou preocupação com a desigualdade entre os países quando da imunização contra a Covid-19. Enquanto alguns já estão vacinando adolescentes e turistas, como os EUA, outros penam para vacinar seus grupos prioritários, como a maioria dos países africanos.

    O diretor argumentou que uma solução seria os países ricos cederem a vez na fila de entrega de vacinas – por parte dos laboratórios – quando seus grupos prioritários tiverem sido vacinados.

    Pouco provável que algum país se sensibilize com as palavras de Tedros Adhanom, especialmente os EUA. As nações ricas podem até doar vacinas, mas isso só ocorrerá quando todos os seus, dos mais jovens aos mais velhos, forem vacinados.

    FHC x LULA
    Não merece crítica o encontro entre os ex-presidentes FHC e Lula no último dia 12 de maio, em almoço promovido pelo ex-ministro Nelson Jobim, amigo comum.

    Os dois, que militam em locus diferentes na política, podem muito bem debater os problemas atuais do Brasil, sem que isso reflita necessariamente uma aliança política para 2022. O nome disso é civilidade, algo tão em desuso no Brasil de Bolsonaro, que vê adversários políticos como inimigos figadais.

    FHC e Lula deram exemplo de como deve ser a política. As diferenças não podem tornar as pessoas inimigas. Até porque, no fundo, todos querem o bem do país, apenas divergem em relação aos meios.

  • CANCELAMENTO

    CANCELAMENTO – Dia desses fui removido de um grupo de WhatsApp formado majoritariamente por bolsonaristas de fé, pessoas que vivem alheias à verdade, que enxergam no presidente uma divindade, um ser supremo incapaz de cometer qualquer erro.

    Como eu não me continha e por vezes desmascarava uma fake news fabricada no gabinete do ódio, fui removido. Não professava a fé deles. Na expressão da moda, fui cancelado.

    A prática do cancelamento vem de longe, uns 1.000 anos. Na Grécia antiga, os cidadãos se reuniam e escreviam em óstracos (ostrakon) o nome de quem eles queriam ver longe do convívio daquela sociedade. Os motivos eram os mais diversos: traição, mentira, incesto, adultério. As reuniões ocorriam uma vez por ano.

    Quem recebesse 06 mil votos era convidado a sair da cidade, podendo voltar, caso quisesse, após dez anos. O nome ostracismo vem daí.

    Até chegar aos dias atuais, ainda passamos pelos bodes expiatórios, degredados e berlindas, mas aí são outros quinhentos.  

    100 DIAS DE ALLYSON – Desde o início da segunda semana deste mês o prefeito de Mossoró, Allyson Bezerra (SDD), concede entrevistas aos órgãos de imprensa do município sobre os primeiros cem dias de sua administração.

    Outros tantos órgãos publicaram matérias analisando o período. Quase todos os textos trouxeram análises, no geral, positivas. Não poderia ser diferente.

    Até agora, o prefeito Allyson não fez nada que merecesse uma crítica mais incisiva. As falhas apontadas se referem mais ao cotidiano de uma administração municipal, como falta de um medicamento numa unidade de Saúde, demora para realizar um serviço etc.

    O prefeito tem se mostrado muito dinâmico (às vezes até demais) e muito disposto, além de sempre procurar acompanhar de perto o que se passa nos mais diversos setores da administração, não sendo raro aparecer numa UPA em pleno domingo à noite, por exemplo.

    Até agora, a avaliação é positiva.

    Foto: Wilson Moreno Secom-PMM

    NOGUEIRÃO – Inegavelmente, o maior feito do prefeito Allyson Bezerra tenha sido desatar o nó que envolvia o estádio Manoel Leonardo Nogueira (Nogueirão). Há tempos havia uma querela envolvendo a propriedade do estádio, problema este passado de prefeito para prefeito, sem solução.

    Antes dos 100 dias, contudo, o prefeito conseguiu no Judiciário municipalizar o Nogueirão, e também desinterditá-lo. Um verdadeiro gol de placa.

    Parece até a famosa frase de Jean Cocteau: “Sem saber que era impossível, foi lá e fez”.

    TÚLIO “GUEPARDO” – Por vezes, quando vinha a Mossoró, o comandante-em-chefe desta publicação, Túlio Ratto, entrava em contato com este humilde para nos encontrarmos e batermos um papo, invariavelmente na companhia de algo etílico.

    O homem, entretanto, mudou. Virou fitness, acoplando ao cotidiano termos como “tiro”, “longão”, “intervalado” e “pace”. Está na mesma vibe de outros três grandes amigos: Tuca Viegas, Ailson Fernandes e Gilson Cardoso.

    Foi visto dia desses em Mossoró, mas não numa mesa de bar, e sim praticando corrida de rua nas avenidas do bairro Nova Betânia. Errado não está, pelo contrário.

    De todo modo, espero que da próxima visita a Mossoró ele me avise. Pode tomar whey protein, já eu vou na boa e velha cerveja (e agora tem umas artesanais que são muito boas, viu?).  

    AUTOSSUFICIÊNCIA EM PETRÓLEO – Por dia, o Brasil produz 2,9 milhões de barris de petróleo (bpd), quantidade bem mais do que suficiente para abastecer o país. Ocorre que nossas 17 refinarias não dão conta de transformar todo o óleo bruto que produz em gasolina, diesel e outros derivados.

    Nessa matemática complexa, que envolve várias questões, o Brasil vende o excedente de óleo cru, aproximadamente 46% do que produz, por pura falta de capacidade de refino. Por outro lado, compra 22% do diesel e 15,6% da gasolina que consome.

    Cá pra nós, a Petrobras não tem muito interesse em atuar na área de refino, vez que o setor de produção é bem mais lucrativo. A solução que apontam é entregar o refino à iniciativa privada, mas aí tem um nó. As empresas só aceitam refinar se puderem decidir o preço do produto, consoante as leis de oferta e procura, o que não acontece no Brasil.

    Empresários do setor acreditavam que o presidente Jair Bolsonaro fosse aceitar as condições e então liberar o refino à iniciativa privada, sem interferir no valor, mas o presidente, sob pressão popular, já deu sinais de que manterá a política dos governos anteriores.

    TAXAÇÃO DE LIVROS – Em mais uma investida na constante cruzada contra a educação e o conhecimento, o governo federal quer taxar os livros em 12%, vontade inserta no PL nº 3887.

    A isenção tributária sobre livros remonta à Constituição Federal de 1946. Foi uma proposição do então deputado constituinte Jorge Amado, que havia sido o mais votado em São Paulo. O objetivo era cristalino: democratizar a leitura, permitindo que alcançasse as classes mais pobres.

    O constituinte de 1988 seguiu na mesma toada, e os livros continuaram com isenções tributárias.

    Agora, o ministro da Economia, Paulo Guedes, quer acabar com isso, alegando que livro é coisa de gente rica. Impressiona como o governo Bolsonaro investe contra a educação, conhecimento, cultura, artes e ciência.

    Mas, dá até pra entender, a sapiência é um grande obstáculo para governos obscurantistas.

    O ex-presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), também apoia o fim das isenções.

    BRASIL E A OCDE – No primeiro semestre de 2019, o presidente Bolsonaro e seus filhos agiam para convencer o então presidente dos EUA, Donald Trump, a interceder pela entrada do Brasil na Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), um seleto grupo que reúne 36 países, com sede na França.

    De prima, os EUA se prontificaram a ajudar, mas em outubro daquele mesmo ano, a maior potência do mundo indicou outros dois países: Argentina e Romênia, silenciando quanto ao Brasil. A notícia caiu como um enorme balde de água fria. À época, ninguém entendeu nada.

    Mais recentemente, o motivo veio à tona. A OCDE criou um grupo para monitorar o Brasil, já sabedor de suas intenções, e então concluiu que o país não preenchia alguns requisitos, como o combate à corrupção e os cuidados com o meio-ambiente.

    O Grupo Permanente de Monitoramento, formado por representantes dos EUA, Itália e Noruega, verificou que houve um afrouxamento no combate à corrupção no país, tornando assim inviável a inserção do país no chamado “Clube dos Ricos”.

  • LULA, O RETORNO

    O primeiro pronunciamento do ex-presidente Lula (PT), após a decisão do ministro Edson Fachin, mostrou que ele pretende ser a antítese do presidente Jair Bolsonaro (sem partido). Lula focou na necessidade de dialogar com todos os setores da sociedade, acenando mais especificamente para a imprensa e empresários.

    Como não poderia deixar de fazê-lo, criticou severamente as ações do presidente nas mais diversas áreas, especialmente na condução da pandemia.

    LULA, O RETORNO 2
    Ao final, ante a pergunta de um jornalista, não bateu o martelo que seria candidato à presidência em 2022. Disse que isso seria decidido em convenção partidária, e falou até em frente ampla, dando a entender que nada foi decidido ainda.

    ESTADÃO
    Em editorial publicado no dia 10 de março, o jornal Estado de S. Paulo soltou os cachorros para cima do ex-presidente Lula. Com o título “A ficha moral de Lula é suja”, o jornal diz que a decisão do ministro Edson Fachin não apaga a corrupção cometida por Lula da Silva. Ao final, conclama os leitores a fugir dos populistas radicais. Conclui que há alternativas civilizadas. O tiozão do zap ainda diz que esse tipo de imprensa é esquerdista. Jamais.

    EXPLICANDO
    Há muito tempo, o STF decidiu que a 13ª Vara Federal de Curitiba tinha competência para julgar, no âmbito da Lava Jato, apenas casos relativos a fraudes e desvios na Petrobras. Num malabarismo interpretativo, o então juiz Sérgio Moro enquadrou os processos de Lula nesses quesitos. A defesa do ex-presidente sempre questionou a competência.

    EXPLICANDO 2
    De fato, os eventos relacionados ao tríplex do Guarujá, ao sítio de Atibaia e ao Instituto Lula não tinham nenhuma relação direta com a Petrobras. O juiz Moro, contudo, na ânsia de julgar o presidente, argumentou que os empresários envolvidos nos casos acima também tinham contratos com a estatal de petróleo. Essa tese, um tanto quanto absurda, vingou até a decisão de Fachin, na segunda-feira (08).

    BARULHO NO QUARTEL
    Em abril de 2018, dias antes do Supremo Tribunal Federal (STF) julgar um habeas corpus que poderia libertar o ex-presidente Lula, o então comandante do Exército, general Eduardo Villas Bôas, fez um post ameaçador no Twitter, sugerindo que uma decisão favorecendo o ex-presidente poderia ter consequências. Na época, o STF silenciou.

    SILÊNCIO NO QUARTEL
    Desta vez, com o fato consumado, qual seja, Lula livre e elegível, fruto a decisão do ministro Fachin, muitos chegaram a esperar que algum general voltasse a se manifestar nas redes sociais, não foi o que aconteceu. Os quarteis ecoaram um silêncio estrondoso e enigmático.

    O MERCADO
    Por enquanto, entre Bolsonaro e Lula, o mercado segue apostando no atual presidente, por acreditar que ele pode aprovar alguma das reformas que o setor tanto exige, isso porque tem maioria na Câmara dos Deputados e Senado Federal. Caso os dias, semanas e meses avancem sem que nada aconteça, e se Lula continuar piscando o olho para a Faria Lima, a tendência poderá se inverter.

    O mercado não tem ideologia. Vai pra onde perceber maiores possibilidades de lucros. Simples assim.

    SEM CONCLUSÃO
    No dia 14 de novembro de 2019, um acidente com um jatinho Cessna 550, na Península de Maraú, litoral baiano, tomou o noticiário nacional. A aeronave era tripulada por empresários bem sucedidos, todos jovens, os quais intencionavam passar o feriado da Proclamação da República naquele paraíso tropical.

    A aeronave tocou o solo antes da pista de pouso, o que causou vários danos, mas conseguiu parar sem causar qualquer lesão nos tripulantes, o problema ocorreu logo em seguida, quando o jatinho pegou fogo e explodiu.

    SEM CONCLUSÃO 2
    Das 10 pessoas que estavam no Cessna, cinco morreram, entre estas as irmãs Maysa e Marcela Marques, bem como o filho desta, Eduardo, com apenas 06 (seis) anos de idade. Também morreram Tuka Rocha, piloto de Stock Car, e Fernando Silva, o copiloto da aeronave. Todos em consequência das queimaduras que sofreram.

    Os sobreviventes seguem com sequelas do acidente, em maior ou menor grau. Marcelo Constantino, um dos herdeiros da Gol, nunca mais poderá se expor ao Sol. Eduardo Mussi, irmão caçula do deputado federal Guilherme Mussi (PP-PR), é outro que guarda graves sequelas.

    SEM CONCLUSÃO 3
    Até agora ninguém foi responsabilizado pela tragédia, que continua em apuração. O proprietário do Cessna 550 era o bilionário Juca Abdulla, o 20º homem mais rico do país, que alugou a nave à turma por R$ 55 mil, com piloto e copiloto.

    DUROU FOI MUITO
    O técnico da Alemanha, Joachim Löw, aquele de manias nada higiênicas, deixará o cargo no próximo mês de julho, logo após a Eurocopa. Ele comanda a seleção alemã desde agosto de 2006. No período, acumulou várias conquistas, inclusive a Copa do Mundo no Brasil em 2014. Sim, ele era o técnico que comandou a Alemanha no 7 x 1.

    Foram 189 jogos, com 120 vitórias, 38 empates e 31 derrotas.

    “A VELHA CALÇA DESBOTADA”
    A canção Detalhes, de Roberto Carlos e Erasmo Carlos, completa 50 anos neste mês de março. Ela foi o marco da travessia de Roberto Carlos, que deixava a jovem guarda para se tornar o maior cantor romântico do Brasil, então com 30 anos.

    É a canção que abre o álbum de mesmo nome, lançado em 1971, considerado por muitos o melhor álbum de sua carreira. Além de Detalhes, o disco traz, entre outras, Como Dois e Dois (de Caetano Veloso), Amada Amante, Traumas, Todos Estão Surdos e Debaixo dos Caracóis de seus Cabelos (em homenagem a Caetano Veloso).

    O álbum foi lançado em dezembro de 1971, uma praxe do rei, que só lançava discos no fim de ano, mas a música Detalhes foi composta em março daquele ano, como conta o livro 101 Canções que Tocaram o Brasil, de Nelson Motta.

    O EXECUTIVO EM MOSSORÓ
    Após um início de gestão muito movimentado, com várias reuniões, inclusive algumas entrando pela madrugada, com lives, stories de recebidos, visitas a equipamentos públicos, parece que o ritmo diminuiu, o que é natural. Empolgação e energia não duram para sempre. O prefeito Allyson Bezerra (SD) alcançou o voo de cruzeiro.

  • GRATO

    Na última edição deste portentoso, o colunista João Bosco Souto, a quem chamo Bosquinho, discorreu sobre a eutrapelia, palavra que caracteriza o humor sem ofensa. Na oportunidade citou-me como exemplo.

    Fiquei deveras lisonjeado com o texto, sobretudo por partir de alguém com tamanha bagagem literária, detentor de um vasto e rico vocabulário. Claro que pesou o fato de sermos amigos há mais de vinte anos, pesou para a homenagem e pesou para ter-me como exemplo.

    O cearense Bosquinho é um dos maiores talentos que habitam o solo mossoroense. Sua profissão nada tem a ver com textos e letras, mas, como um bom devorador de livros, escreve muito bem quando se propõe a fazê-lo.  

     ANTIVAXX – Na última semana, circulando pelas ruas de Governador Dix-sept Rosado, o município, percebi três pessoas conversando sobre a vacina contra a Covid-19. Pela aparência, gente que já rompeu a casa dos 50 anos. Duas delas diziam que não tomariam a vacina, pois feita pelos comunistas da China. O lúcido da história tentava argumentar que no geral vacinas e medicamentos possuem algum insumo chinês (não disse com essas palavras), e que ninguém nunca deixou de se vacinar e medicar por causa disso. Uma delas, para encerrar a conversa, disse que Bolsonaro não tomaria e então faria o mesmo. Pronto.

    Lamentavelmente, as declarações do presidente Jair Bolsonaro exercem um poder muito grande sobre parcela da população. Da mesma forma que muitos não tomarão a vacina em atenção ao que ele falou, outras tantas deixaram de se proteger durante a pandemia pelo comportamento errático do chefe maior da Nação, que sempre fez pouco caso da doença, desde a famigerada “gripezinha”, passando pelos “E daí” e “Doença de maricas”.

    POLÍCIA CORROMPIDA – A revista Piauí de janeiro trouxe uma corajosa matéria, assinada por Allan de Abreu, dissecando a corrupção existente na Polícia Federal do Rio de Janeiro, com foco no delegado Pompílio da Hora, aposentado no início do ano passado.

    Pompílio se valia do cargo para achacar possíveis investigados, cobrando alto para que seus nomes e os de suas empresas não fossem incluídos em inquéritos e, caso já incluído, cobrava para retirar. Os valores giravam em torno de R$ 1,5 milhão, quantia que era dividida com o escrivão Everton Ribeiro e outros três comparsas.

    A matéria traz diversos exemplos concretos, tanto da equipe de Pompílio, como de outras. Entre 2002 e 2011, o Ministério Público Federal (MPF) denunciou 150 policiais federais fluminenses, o equivalente a 10% do total.

    Impressionante ver como no Rio de Janeiro o poder público, em todas as esferas e órgãos, está corrompido pela corrupção e demais crimes contra a administração pública.

    ABANDONADO – É triste ver a situação do prédio onde funcionou o Tribunal Regional Eleitoral (TRE) no município de Governador Dix-sept Rosado. Por meio da Resolução nº 07, de 15 de agosto de 2017, a 57ª Zona Eleitoral, com sede no município, foi extinta. Desta forma, os eleitores do município foram remanejados para a 49ª Zona Eleitoral, com sede em Mossoró e que também engloba os eleitores do município de Upanema.

    Com a desativação, o prédio onde funcionou a sede da 57ª foi abandonado, literalmente. O lamentável é que se tratava de um prédio novo e moderno, inaugurado em 2014.

     Já ouvi relatos de instituições querendo assumir o que restou do imóvel, vez que vândalos saquearam e levaram tudo o que era possível, como louças dos banheiros, fiações, maçanetas, luminárias e até portas. Basicamente só deixaram as paredes. A prefeitura também tem interesse em assumir a estrutura, mas até agora nada andou.

    Enquanto isso, o prédio segue abandonado e entregue aos vândalos e usuários de drogas.

    COMEÇOU COM UMA BOMBA – Uma máxima diz que no Brasil o ano só começa depois do carnaval. Em 2021, então, ele começou com tudo. Já no “primeiro dia” o ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), mandou prender o deputado federal Daniel Silveira (PSL-RJ), que havia usado o YouTube para enaltecer o AI-5 e atacar ministros.

    Logo a polêmica se fez nas redes sociais, com as torcidas de um lado e outro defendendo suas posições de forma casuística, jamais racional.

    O fato é que a imunidade parlamentar por falas, palavras etc. não é absoluta. Basta você imaginar o que aconteceria se algum parlamentar fosse ao Twitter defender a pedofilia, por exemplo. O parlamentar pode muito, mas não pode tudo.

    No geral, é repugnante toda forma de extremismo. As conquistas e avanços devem se dar com diálogo e respeito às instituições, aos adversários e também à imprensa.

    CABOTINOS – Aqui no nosso torrão potiguar, alguns jornalistas insistem em querer ser, eles mesmos, o destaque da notícia. Sempre dizendo que teve influência sobre decisão tal tomada por um político, que antecipou isso ou aquilo, que é temido por alguns, que fez isso, fez aquilo.

    A situação me remonta a um podcast do Estadão onde duas jornalistas que acompanham o cotidiano do cercadinho do Palácio da Alvorada foram ouvidas. Elas relataram tudo o que passam no local, especialmente as agressões verbais que sofrem dos bolsonaristas.

    Lá pelas tantas o entrevistador perguntou por que elas nunca fizeram uma matéria para o Estadão sobre as agressões, aí elas falaram, cada uma do seu jeito, que uma das lições básicas do Jornalismo é que o profissional da imprensa não é notícia, que deve apenas checar os fatos e divulgá-los.

    Claro que há o jornalismo de opinião, mas aí é outro assunto. Não devemos colocar tudo num balaio só. Quer ser celebridade e comentado por aí? O melhor caminho é entrar no mundo artístico.

    FALTA DE ARGUMENTOS – Mandar estudar, durante uma discussão, é a frase mais arrogante e furtiva que existe. Se o interlocutor tem argumentos a expor, o faça de forma didática e simples. Desta forma será muito mais fácil convencer o contendor.

    GARGALO DO SUS – Na pandemia o Sistema Único de Saúde (SUS) provou sua importância. Sem ele, o número de mortes teria sido muito superior. Apesar do elogio, é forçoso reconhecer que o sistema apresenta muitas falhas, sobretudo na média complexidade, onde está seu maior nó.

    Na saúde básica e na alta complexidade o SUS é muito bom, mas quando parte para o atendimento mediano o sistema não anda. O paciente sofre quando precisa de cirurgias eletivas, exames ou precisa se consultar com algumas especialidades médicas, como cardiologistas e neurologistas.

    DOWNLOAD – O Brasil possui uma das legislações mais brandas quando se trata de downloads ilegais. O art. 184 do Código Penal só considera crime quando o objetivo é o lucro. Assim, não é crime baixar filmes e músicas piratas, por exemplo, desde que seja para consumo próprio. Há legislações bem mais severas mundo afora. 

    SOLUÇÃO ESQUISITA – Após o retorno das aulas numa escola particular de Mossoró, a Vigilância Sanitária foi fazer uma inspeção e constatou que havia excesso de alunos nas salas e que a instituição deveria adotar alguma medida para resolver o problema.

    Pois bem, adotou. A escola agora está alternando aulas remotas com aulas presenciais da seguinte forma: um dia a classe inteira assiste às aulas de casa e no outro dia todos assistem às aulas na própria escola. Qual a lógica nisso? A única consequência desse método será a diminuição dos custos da escola. Não serve de nada no combate à disseminação do vírus.