Sobre

Os “Catecismos” de Carlos Zéfiro

Carlos Zéfiro ou Alcides de Aguiar Caminha (Rio de Janeiro, RJ – 1921 – 1992), produziu seus quadrinhos pornográficos, durante as décadas de 1950 e 1960. Em seus “Catecismos”, como ficaram popularmente conhecidas suas histórias desenhadas a pincel, bico de pena e impressas em branco e preto, Zéfiro narrava situações que sempre culminavam em práticas sexuais explícitas.

Com títulos curtos, geralmente nomes de mulheres e histórias bem conduzidas com começo, meio e fim e produzidas em um período de pouca liberdade sexual, essas revistinhas influenciaram toda uma geração de jovens brasileiros. Com no máximo 32 páginas e formato de bolso (1/4 de ofício), as revistinhas de Carlos Zéfiro chegavam a alcançar uma tiragem de 5.000 exemplares. Distribuídas pessoalmente e de forma sigilosa pelo próprio editor, elas eram vendidas de maneira dissimulada pelos jornaleiros, geralmente ocultadas em outra publicação. O autor contabilizou sua produção em 862 histórias.

Em novembro de 1991, um artigo de autoria do jornalista Juca Kfouri, a partir de uma entrevista com o autor dos “Catecismos” e publicado na revista Playboy, revelou a verdadeira identidade de Carlos Zéfiro. Em sua entrevista Caminha conta que resolveu se revelar ao público, porque um sujeito em busca de fama, surgiu na imprensa querendo assumir a identidade de Carlos Zéfiro. No ano seguinte a essa revelação, aos 70 anos, morreu Alcides Caminha/Carlos Zéfiro.

Não existe uma explicação definitiva para o fato dessas publicações terem recebido o apelido de “Catecismos de Sacanagem”. Nem o próprio autor tinha essa resposta. Alguns sugerem que vem do fato de serem produzidas no tamanho certo para serem colocadas dentro dos “catecismos”, já que a maioria dos garotos as compravam quando saíam da missa.

Alcides Caminha, foi funcionário público da Divisão de Imigração do Ministério do Trabalho e ficou também conhecido como o autor dos sambas A Flor e o Espinho, Capital do Samba e Notícia, que compôs em parceria com Nelson Cavaquinho, nos anos 1950.

Desenhista amador, Zéfiro copiava os seus personagens a partir de revistas eróticas estrangeiras ou fotonovelas. As situações e posições sexuais eram limitadas, mas não impediam o sucesso de suas publicações. Os personagens masculinos não variavam muito na forma ou na personalidade e seguiam sempre o mesmo padrão de comportamento: solteiros ou sozinhos, bonitos, bem-dotados, vaidosos, irresistíveis e sempre vitoriosos em suas investidas sexuais. Já o universo feminino, era mais variado: há virgens, viúvas, desquitadas, solteiras, casadas, ninfomaníacas, etc. Porém, um traço em comum as unia: a disposição imediata para o sexo.

No início dos anos 1970, com a chegada ao mercado brasileiro das revistas eróticas coloridas suecas e dinamarquesas, as revistinhas de sacanagem vão perdendo prestígio, até desaparecer. O próprio Zéfiro parou de produzi-las.

É inegável que não há mais espaço no mercado literário atual, para alocar os folhetins eróticos de Carlos Zéfiro. Mas existe todo um contexto histórico em torno de sua arte, que a faz ser estudada até hoje pelos profissionais da área.

Após sua morte, ele teve um trabalho publicado como homenagem póstuma na capa e encarte do CD Barulhinho Bom (1996), de Marisa Monte. E em janeiro de 2011, os trabalhos de Zéfiro foram expostos ao lado de outros quadrinhos eróticos do resto do mundo, no Museu do Sexo em Nova York.

Escrito por Marco Túlio

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Carregando...

0

Entrevista: Ex-presidente Michel Temer

Busca e Desapego