Sobre

Por quê vocês me odeiam?

Nestes dias pré-carnavalescos, Maria foi acometida de uma crise braba de Labirintite. Impedidos de recebermos ajuda, obrigado fui a pôr “armadura” para enfrentar os seres “nativos” do ambiente mais horripilante e hostil da casa: a cozinha. Do universo chinês vem essa máxima: “Por quê você me odeia se eu nunca lhe ajudei?”. Entretanto, falo no plural quando vejo garfos, colheres, facas e panelas sujas fixando os olhos em mim cheios de má-intenções, com caras de Freddy Krueger. Que me lembre nunca entrei numa cozinha para lavar, enxugar, fazer, café, almoço, lanche, jantar e no dia seguinte seguir o roteiro pré-agendado. Por isso, não entendo essa malquerença e notória antipatia dos utensílios da cozinha comigo, se nunca lhes fiz bem ou mal algum a nenhum deles. 

Não relato isto com orgulho, a bem da verdade, digo com muita frustração. De joelho sobre milhos devo confessar duas obesas invejas que se fizeram amigas desde há muito: cozinhar e tocar violão. Estas magnificas grandes artes que independem de seus ingredientes. O violão de Kurt Cobain, que foi vendido pela bagatela de US$ 6 milhões (aproximadamente R$ 32 milhões), nas minhas mãos não teria o valor de um comprado por Gilberto De Souza, na “Peda” do Buraco do Tatu, lá em Mossoró, com sua maestria, certamente, faria soar acordes divinais ou um Tucunaré, se nas minhas ignorantes e rudes mãos seria apenas uma ginga sem tapioca e nunca uma deliciosa peixada do Porão das Artes, lá em Pium, saida das panelas de Nelson Rebouças.

Fui sempre o “bendito fruto entre as mulheres”. Quando minha mãe morreu, fomos morar com nossa tia Geralda, irmã de minha mãe. Ela não tinha filhos dedicando-se totalmente a nos proteger e nos preservava de tudo, não nos alienando, mas não nos deixando fazer o que ela – e para época – achava desnecessário, pois, lá sempre havia muitas amigas para fazer de tudo. É verdade que às vezes quando faltava “visitante” e Maria decidia esticar seu final de semana e as namoradas “batiam fofo”, eu e Neguinho, meu irmão do meio, fechávamos todas as portas e janelas e varríamos, espanávamos os móveis, lustrava-os com Óleo de Peroba – ainda lembro do rótulo de um índio com penachos -, depois passávamos o pano com Pinho Sol na sala e quartos. Porém na cozinha era Dona Geralda que comandava, lá era ambiente sagrado. Portanto, hoje, se frito um ovo mexido, é uma vitória entanto. 

É verdade que nisto tudo poderia haver e há um certo machismo, afinal somos uma sociedade predominantemente patriarcal e machista, se assim ainda podemos chama-la apesar do século XXI. Mas na metade do século passado, homens no fogão somente em algumas entidades como nas Forças Armadas os famosos “taifeiros”, nos grupos de tropeiros no Nordeste, nas comitivas no Centro-Oeste. Mas na cozinha de casa, ali, sujando o avental, quem dava as ordens era a mulher. Quando uma vez ou outra tentava de fininho “beliscar” a panela, Helena dizia: “Saía daí, na minha panela ninguém mexe”.

Já decidi. Firmei promessa a São Benedito, protetor dos cozinheiros, com papel lavrado lá no cartório do tabelião Airene Paiva, como testemunha intimei o também amigo Moacir Barros, da HidroNordeste: assim que Maria parar de “rodopiar” e eu ter mandado a Bursite prascucuias, vou assistir ao Mais Você, com Ana Maria Braga, pelo menos três vezes por semana. Ainda pedi um adendo: pra evitar que ela ria muito. 

Brito e Silva – Cartunista

Escrito por Brito Silva

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Carregando...

0

Paródia: Soque os 200 no cool | Amor I love you

Conheça os vencedores do Seridó Cine