Sobre

Brasil: um país sem eira nem beira.

Que país é esse?

Que povo é esse que segue como gado sendo tangido sem esboçar nenhuma reação?

Essas são perguntas que precisam de respostas o quanto antes para que não sejamos em pouco tempo tratados pelo mundo como um povo de terceira classe. Estamos numa viagem de barco onde o timoneiro sabe exatamente para onde nos levar, ao caos total, a uma ditadura tupiniquim e ao isolamento no cenário geopolítico.

A pandemia de Covid-19 abriu uma grande cicatriz no nosso país pelos mais de 260 mil mortos e, também, pela insensatez de um governo federal que prefere acreditar na morte como medida sanitária do que enfrentar a pandemia com ações voltadas a imunização da população como vem fazendo os países que a pouco tempo estavam nas condições sanitárias que o Brasil se encontra nesse momento.

A imunidade de rebanho como preconizado já não é mais um sonho plausível devido as novas variantes do vírus. Antes morriam em sua maioria idosos e pessoas mais jovens que tinham comorbidades, hoje estão morrendo jovens e em menor quantidade crianças sem histórico de doenças. Os idosos que começaram a ser vacinados já tem uma frequência menor de internações e mortes, mostrando, dessa forma, a eficácia das vacinas.

O tratamento precoce com ivermectina/cloroquina é outro mito que foi por água abaixo. Está provado pela ciência que essas drogas não auferem resultados preventivos contra a instalação do vírus nos indivíduos que se submeteram a esse tratamento. Um fato que merece atenção é que nos municípios onde os seus gestores embarcaram nessa viagem do tratamento precoce, fato que de certa forma baixou a guarda dos munícipes, estão passando por sérios problemas de colapso na saúde com leitos clínicos e de UTI lotados e muitos com fila de espera.

Precisamos acordar desse transe e levantar nossas vozes. O gigante se levantou pelos míseros R$ 0,20 na passagem de ônibus, mas continua adormecido em meio a esse genocídio que está em andamento nessa nação de homens e mulheres que tem um histórico de lutas por seus direitos.

Além da pandemia o Brasil vive um grande retrocesso no que tange a perda de direitos sociais, reformas que não contribuem para o fortalecimento do seu povo, aumento do custo de vida, em especial, puxado pelo constante aumento dos combustíveis e gás de cozinha, bem como, pela picaretagem que ocorre no Congresso Nacional onde deputados e senadores que foram eleitos para representar o seu povo, se alia por interesses escusos ao presidente para massacrar o povo mais pobre desse país.

Que país é esse?

Lembro que muitos que elegeram esse algoz e seus asseclas diziam que se não prestar nós tiraremos do poder. E hoje onde estão essas pessoas que já tenho a certeza de que já sabem que esse governante chamado de Jair Bolsonaro não presta, mas continuam calados no seu mundinho fechado de louvação ao mito?

Chegou a hora do gigante acordar. Se isso não acontecer estaremos fadados a convivermos diuturnamente com mortes de amigos e parentes aos montes e ao isolamento mundial que fará com que nosso Brasil volte aos tempos de terceiro mundista com problemas sociais e econômicos avassaladores.

Chega de mi, mi, MITO. É hora de gente séria reassumir o controle dessa nação que já foi a 6ª economia mundial e que a cada ano cai a passos largos. O Brasil é feito de gente que não desisti nunca, pelo menos diz o ditado, então levantemos a cabeça, os braços, vamos às ruas dizer não a esse genocídio e a essa grande tragédia social e econômica que fomos submetidos após o golpe de 2016.

Basta!!!!

Gutemberg Dias é professor e empresário.

Escrito por Gutemberg Dias

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Carregando...

0

Paródia: Babão Profissional

Sirenes