Sobre

Sirenes

Dias e noites, da janela que divido com Maria, ouço e “vejo carros apressados a passar por mim” com suas sirenes fustigantes soando e ressoando aquele som de dor. Luzes vermelhas ofuscantes freneticamente piscam como quem nos alertam do perigo eminente, sorrateiro e invisível que insiste em nos rodear assombrando com sua saga de morte, espalhando sofrimento a todos os recantos do planeta, parecendo e até alicerçando a tese de alguns, que se arvoram a dizer que isto é castigo divino por nossos pecados. Confesso que às vezes tendo a balançar a cabeça sinalizando concordância, mas logo me atenho a dureza da realidade, de certo, pode não ser castigo divino, mas consequência de nossa ganância em destruir a natureza, disto não há dúvidas.

Carros vermelhos, verdes, azuis todos passam a soleira de minha janela, não há silêncio, ondas trazem somente o som estridente das sirenes e buzinas pedindo passagem a outros automóveis em igual afobação em fila dupla, mas que terminam abrindo caminho à urgência, à tentativa de salvação.

Fico imaginando que ali dentro daquela ambulância verde e branca vai uma pessoa pedindo, rezando e suplicando aos deuses para viver. Quem sabe seja apenas um jovem rico que quebrou o dedo mindinho e exigiu do seu plano de saúde uma urgência? Pode ser.  Mas também pode ser alguém com filhos, noras, genros, netos, que luta para voltar a vê-los. Talvez, muitos destes ficaram em casa ainda choram a angustia da incerteza de um abraço ou de um possível adeus compulsório imposto pela falta de compaixão, consciência de pessoas que teimam em pelejar contra a ciência e acreditam em um Messias de araque tão falso e mentiroso quanto tábua de fojo.  

Na verdade, aquele paciente do carro verde e branco tem uma família, uma história de vida e certamente, não deseja pôr um ponto final. A cada soar das sirenes torço para um final feliz.

Os sons das sirenes continuam ensurdecendo nossos dias e noites. Olho e vejo ambulâncias do SAMU e seus anjos de azul, em urgência, transportando esperança. Aqui, quem anda nos salvando são alguns mortos: John Lennon, Belchior, Elis, Gonzaguinha, Sérgio Sampaio, Freddie Mercury, Bob Marley…E a esperança e vontade de poder abraçar nossos filhos e netos. 

Brito e Silva – Cartunista

Escrito por Brito Silva

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Carregando...

0

Brasil: um país sem eira nem beira.

LockdowRN