Sobre ,

Genocida impresso

“Pela volta do voto impresso! Urna eletrônica é coisa de ladrão!”

Bem, a frase acima tem sido difundida pela legião de devotos do governo federal em defesa do voto impresso, que seria editável (eles acham que a urna eletrônica não tem controle). Ou é inocência ou pilantragem pura.

O que vocês dizem sobre isso? Ou vocês acham que o brasileiro deixaria uma peste, Abigobal. Zé Mané. Zé Ruela. Abestalhado. Otário da bocona. Mané de bota. Chupa-cabra. Cri-cri. Mal-assombro. Mequetrefe. Frouxo. Rascunho do mapa do inferno. Fi dum que ronca e fuça. Fi da peste. Orelha seca. Pangaré. Catingoso. Fedorento. Peidão. Mistura de jabaculê com cobra-d’água. Cara de tabaco. Tabacudo. Zarolho. Ratoeira. Requengelo. Mal-acabado. Xexeiro. Infeliz das costa oca. Cão dos infernos. Cachorro da moléstia. Sapo-cururu. Chibata. Carai de asa. Asilado. Sebito baleado. Bocoió. Cara de fuinha. Mamulengo. Piranqueiro. Amarrado. Bicho véi leso. Catarrento. Arengueiro. Zambeta. Zureta. Chocho. Peste bubônica. Bexiga lixa. Bexiga taboca. Goguento. Cara de butico. Bexiguento. Troncho. Sobejo. Afolosado. Batoré. Bisonho. Brebote. Espinhela caída. Fuleiro. Folote. Fubento. Mal-amanhado. Miolo de pote. Fi duma égua. Mundiça. Roscói. Truscui. Despombado. Inhaca. Cambão. Encangado com Satanás. Gabiru. Mazela. Gasguito. Gastura no pé do bucho. Bucho de soro. Não tem no cu o que o priquito roa. Catrevagem. Do tempo do ronca. Doido bala. Catraia. Cão chupando manga. Febre do rato. Febre tife. Não vale um Cibazol. Besta amojada. Desmilinguido. Peitica. Ingembrado. Não dá um prego numa barra de sabão. Peguento. Presepeiro. Frangueiro. Topada no dedo mindinho. Cancro. Bicho véi paia. Donzelo. Cruzeta. Apombaiado. Peba. Fuleiragem. Aluado. Cu de novelo. Cu de boi. Miguezeiro. Cabrunco. Farrapeiro. Rafamé. Alma sebosa. Bocó. Mancoso. Morgado. Cabra bom de peia. Bom pra rebolar no mato. Ariado. Bate fofo. Entojo. Abilolado. Xeleléu. Visagem do capeta. Velhaco. Tamborete de cabaré. Sem futuro. Saliente. Seborreia. Pomba-lesa. Empata-foda. Perebento. Ferida lambida. Papangu. Monga. Laurça. Buchada azeda. Mal-ouvido. Grudento. Langanho. Juda. Garapeiro. Fi do cranco. Fi da gota-serena. Fiofó de macaco. Resto de sulanca. Encruado. Cheio de verme. Engelhado. Encardido. Enjeitado. Alcaguete. Jaburu. Caxumbeiro. Virado no satanás. Aperreio no juízo. Filhote de lombriga. Marmota. Não vale o peido duma jumenta. Babão de milico. Papa-figo. Véi do saco. Cafuçu. Garapeiro. Inferno da pedra. Mói de chifre. Quentura do pingo da mei dia. Remelento. Rola-bosta. Genocida, ter sido eleito em 2018?

Faz-nos rir!

Adjetivos da paródia nordestina criada pelo advogado de Campina Grande (PB), Olímpio Rocha, da versão de Mariliz Pereira publicada na Folha de S. Paulo, onde a jornalista usa adjetivos sudestinos para compor a imagem de Bolsonaro.

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Carregando...

0

Verdade engarrafada

Nem a pau Juvenal