Sobre

BOCA DE CENA

Papangu Bezerros

A brincadeira dos Papangus no Carnaval Pernambucano, tem seu dia maior durante o reinado de Momo no domingo, a tradicional manifestação presente em praticamente todos os estados do Nordeste e, que traz em comum as fantasias que escondem integralmente a identidade do folião ou foliã, visto que até o gênero dos brincantes se torna uma incógnita, é destaque no Agreste Pernambucano mais especificamente na Cidade de Bezerros, o termo Papangu tem, segundo estudiosos do assunto, sua origem num tradicional prato da culinária regional o Angu, feito à base do milho, leite de coco e outros ingredientes, seria quase uma variação (melhorada) da polenta e, além de ser saboroso garante energia suficiente aos brincantes para enfrentar a maratona Momesca, assim os Papa Angu ganharam seu apelido e lugar nas festividades carnavalescas, privados da fala, pois que as vozes poderiam identificar a pessoa por trás da fantasia, nem por isso falta a comunicação proposta em forma de jogos de sedução e ritmos, sarcasmos e ironias, verdades e mentiras, um caleidoscópio de emoções ritmadas pelos frevos e marchinhas que se harmonizam em toda sua diversidade, em sua humanidade.

Mas Papangu aqui no nosso Rio Grande, tomou um novo formato um formato literário, uma revista e, diga-se de passagem, uma excelente revista, um sarapatel de temas abordados com irreverência, humor e provocações ao debate político, social, artístico e cultural, e agora justo num domingo, como se fora a apoteose dos grupos carnavalescos do agreste Pernambucano A PAPANGU ressurge numa versão digital, que provavelmente ampliará o seu alcance, claro que sem perder sua essência comunicativa, suas características que seduzem e repelem, agradam e desagradam, colorem e “monocromizam”, mas com certeza polemizam e alimentam o bom embate das distintas opiniões.

Eu Beto Vieira, Ator, diretor, palhaço, arte educador e contador de histórias estou muito feliz pelo convite a fazer parte da equipe de brincantes escrevinhadores, um Papangu a mais e, na BOCA DE CENA trarei histórias e causos referentes ao Teatro, Cultura Tradicional Popular e Artes em geral, sem viés acadêmico e sem amarras predeterminadas, sem imposições, mas, com cheirinho de um bom café coado deliciosamente acompanhado de um bolo de macaxeira ou uma saborosa ginga com tapioca e, nesse caso já se pode até trocar o café por uma boa cerveja gelada, cenografia perfeita para um despretensioso e agradável bate papo.

Escrito por Beto Vieira

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Carregando...

0

O mar, a casa e o poeta

Papangusando com o poeta Antônio Francisco